Melhor Sex Shop virtual!

domingo, 22 de junho de 2014

Voyerismo #2: Espiando Transsexual

E eis que finalmente, depois de muito tempo esperando, chega ao blog os transsexuais. Em uma experiencia que tive no Motel do Espiador, em Sorocaba, como já contei um pouquinho aqui anteriormente na nossa tag Voyer.


OBSERVAÇÃO: Esta Postagem inaugura aqui no blog a TAG Transsexuais. Portanto, se possui algum tipo de preconceito, não leia. Este blog é totalmente liberal para todos os tipos de opção sexual!
---

Estava um dia chuvoso, e eu não tinha muito lá o que fazer. Rodei de carro, fui no mcDonalds, mas nada de interessante no meu dia. Solteiro, apenas trocando SMS com algumas garotas desocupadas, mas nada sério, e nenhum plano para a noite, portanto, rodei para o Motel do Espiador.

Cheguei na entrada do Motel, desci o vidro e usei a palavra chave: "Vim pro clube VIP". Me perguntaram se eu já tinha visto antes, e eu disse que já tinha vindo com Rodrigo. E então me liberaram. Estacionei o carro atrás de todos os quartos, como se fosse nos fundos do Motel. Desci correndo para me molhar o minimo possivel, e entrei na salinha de espera. Um outro homem de sobretudo aguardava sentado e com uma revista Sexy nas mãos.

Na televisão da salinha, passava sexo explicito.
Me sentei no sofá aconchegante e fiquei vendo o negão enfiar uma tora no cu de uma latina. Filmes pornôs sempre me deixam excitados. Chegou na salinha a funcionária do Motel, a que avisa quando chega um casal novo e em qual quarto eles estão.
_Olá pessoal, acabou de chegar um casal no quarto 14. Quem é o próximo?
O homem de sobretudo se levantou, e saiu com a mocinha para fora. De algum modo, iam acessar algum quartinho ao lado do quarto 14 e espiar através do espelho.

Não demorou nem 10 minutos e a mocinha chegou para mim:
_Chegou um casal, estão no quarto 20.
Já fui me levantando, e ela me guiou. Entramos por uma porta ali na salinha mesmo, e subimos uma escada. O quarto 20 era no segundo andar. A primeira porta a esquerda, ela abriu a maçaneta.
_Lenços de papeis estão a direita, tá? Já já eles chegam.
Agradeci, entrei no quartinho pequeno e tranquei a porta. Assim que sentei na poltrona, de frente para o grande vidro que daria no quarto, o casal acendeu a luz.

Um homem forte, loiro e alto, digno de filmes pornográficos trancou a porta assim que a sua mulher entrou. Se o cara já era alto, a mulher acabou me surpreendendo, era maior do que ele. Longos cabelos escuros e pernas torneadas, um quadril espetacular e seios fartos. Já fui tirando o meu cacete para fora, meu pau ficou duro de imediato vendo aquela cena.
O cara se aproximou da gostosa e começou a cheirar o seu pescoço, começou a alisar o seu corpo, a sua bunda, o seu seio, e ela só foi rindo, deixando ele fazer o que quisesse com ela.
Até que ela abaixou o vestido, e tirou o blusão, ficou só de calcinha fio dental e uma camisa curtinha, mostrando a barriga.
Gostosa.

Uma pequena barriguinha sexy, bumbum empinado. Eu, assim como o cara do outro lado do vidro, estávamos terrivelmente excitados. O cara abaixou o shorts e exibiu seu grosso volume de pau, apontando para a mulher terrivelmente gostosa.

Ela foi logo se ajoelhando diante dele e caindo de boca naquele pinto enorme.
Eu ia me deliciando também com a chupada que a vadia fazia nele. Fazia garganta profunda sem derrubar uma lagrima no chão. Ele ia ao delirio, olhava para todos os lados do quarto, começou a olhar para o espelho e a foder com a boca dela. Ela gostava, começou a chupar o cacete dele, e a engolir com mais vontade.

Foi neste momento então que notei algo de estranho naquela mulher. Ela foi levando a sua mão para debaixo da calcinha. Abaixou um pouco a sua calcinha até as coxas grossas e torneadas e começou a se masturbar. Mas para minha surpresa, aquela masturbação com a mão fechada e com um vai e vem me deixou assustado. A mulher gostosa, de seios fardos, bunda empinada, coxas torneadas, tira uma piroca tão grande quanto a do cara que estava engolindo. Ela se masturbava com velocidade seu cacete e com maestria. A vadia era um transsexual. Ao ver o cacete da vadia sendo masturbado, eu só consegui ficar ainda mais excitado.

Ela parou de chupar o cara e sentou-se na cama. Com a calcinha de lado, continuou a se masturbar, e foi a vez do cara retribuir. Ele se ajoelhou diante dela e começou a chupar as bolas do traveco, chupava, sugava com vontade, com apetite. A travesti começou a gemer de desejos, e continuava a se masturbar. O cara então passou a limpa no cacete do traveco e abocanhou aquela pica feminina. O transsexual não parava de gemer, e o cara só no vai e vem. Sabia o que estava fazendo. Pensei em parar de assistir aquilo, podia desistir daquela sala e dizer que me interessava apenas por fodas heterossexuais, mas eu não conseguia parar de assistir. 

Compreendi que, voyeur gosta é de ver foda, e foda que é foda tem sempre seus gemidos, teus orgasmos, suas chupações e o prazer mutuo, de quem esta fazendo, e de quem esta ali, assistindo, com o pau na mão.


A transsex ficou deitada ali na cama com o cacete entre os dedos. O cara se levantou, procurou ali na bolsa dela um lubrificante. Quando ambos estavam totalmente nus, ele começou a lambuzar o cacete dele de lubrificante. Não demorou para aquele pau cabeçudo dele estar brilhando. Ele se deitou e a travesti se levantou para apagar a luz. O Motel do Espiador tinha uma vantagem: Para garantir que o espião continuaria assistindo tudo, toda vez que a luz era apagada, uma luz vermelha ficava acessa no quarto. Agora eu continuava assistindo aquela foda tão peculiar com uma luz vermelha. 

Ela voltava para a cama, subiu em cima dele mas não foi direto para cima de seu pau. Sentou-se em cima de seu peito, apontando o cacete duro na cara do homem. Ele, como não é bobo, caiu de boca na pica do traveco. O traveco, enquanto gemia, masturbava seu homem enquanto ele a chupava.

Sem parar de gemer, o transsex então se posicionou para sentar em cima do pau de seu homem. Enfiou ele todo no seu cu, já largo, acostumado de levar ferro. Sentou nele todo. O homem gritou de prazer. Imaginei a sensação de ter o pau dentro do cuzão daquele traveco. O cara segurou nas coxas grossas do traveco, e ela ia pulando em cima do seu pau, com gosto. Eu não conseguia tirar os olhos do cacete duro do traveco. Aquele cacete duro estava indo para cima e para baixo, junto com os seios deliciosos do travesti e a sua cabeleira. Ela não parava de gemer, e o cara deitado com o cacete no cu do traveco gritava de prazer.


Enquanto o cara ia metendo no cu do traveco, ela ia rebolando em cima de seu cacete, de um jeitinho manhoso e gostoso. E então soltou um gritinho gostoso, do seu pau, voou um jato de porra para cima do homem. Que logo foi pegando toda a porra que voou para o seu peito e foi bebendo.
O traveco então desceu do pau do seu homem e levantou as pernas dele. Posicionou o pau para o cu do seu homem e mandou ver. Começou a foder o cu de seu namorado com vontade, ia para frente e para trás de um jeito gostoso, e o cara só gemendo. O travesti falou para ele gemer fino, e os gemidos do homem mudaram, passaram de um gemido de prazer grosso para um gemido de uma putinha, bem fino.
Foi metendo no cu de seu homem. Agarrou o seu pau duro e ia masturbando enquanto dava as estocadas naquele cuzão do cara de pernas levantadas para o traveco. 

A essa altura eu já havia gozado. Corri para pegar a caixinha de lenços. Me limpei e continuei sentado na poltrona, assistindo cada detalhe daquela foda. 









Foi aí então que o cara gozou. 
Gozou nas mãos do traveco, melando tudo. A porra do cara voou pra cima do seu peito. Enquanto o homem ia apanhando a sua própria goza pelo teu corpo para tomar tudinho, o traveco tirou o pau de dentro de seu cu e começou a bater uma punheta. Ia gemendo mais rapido e se masturbando com mais velocidade. E quando o cara estava terminando de tomar toda a porra espalhada pelo seu corpo, o traveco gozou em cima dele, mais uma vez.
O cacete de ambos não amolecia. Tanto o cara quanto o traveco continuavam com o pau duro, e iam continuar fodendo. Sorte para mim, pois meu pau também estava duro com tantos gemidos e tantas gozadas.

O traveco sentou-se novamente em cima do seu homem, que foi colocando o cacete dentro daquele cuzão gostoso de transexual. Ele fazia caretas e xingava dezenas de palavrões com a transsex em cima dele, de pernas abertas e de pau duro. Continuava sentando em cima dele, o vai e vem gostoso com o pau no anus. O seu anus devorava aquele pau de jeito gostoso. Eu grudei no vidro para poder assistir melhor aquela foda. A transsex subindo de descendo naquele pau grosso, e seu cacete subindo e descendo junto dele. 

O pau da travesti começou a amolecer. Ela tentou masturbar seu pau, mas foi perdendo a ereção. Se deitou em cima do seu amado e ele continuou mandando ver o cacete duro e grosso dentro de seu cu. A travesti gemia alto. Se virou para beijar o seu homem, e ele passou a apertar os seus seios. 
Foi aí então que parou de meter, e gozou. 


Eu gozei também. A minha porra voou pelo chão da salinha. Enquanto fiquei limpando o chão com os lencinhos. Pude ver ainda o cara de joelhos no quarto lambendo o cacete do traveco em pé, proximo do espelho. Fiquei em pé, e parecia que o traveco olhava para mim, mas na verdade, estava se olhando no espelho. Ela estava gostando era de assistir o seu homem a chupando diante do espelho. Acabou gozando. A porra voou no espelho, e começou a escorrer.


Eu bati mais uma punheta enquanto eles se vestiam. A transsexual foi para o banho e o cara apenas se vestiu e esperou que ela saísse. 

Eu nunca imaginei que gostaria de uma foda daquelas, um cara fodendo um traveco e ela mandando ver no cu de um cara. Por dias eu fiquei curioso sobre aquilo que presenciei, fiquei excitado diversas vezes pensando naquilo tudo. 

Ser um voyer não tem preço.

---

Se gostou, já sabe, COMENTE! 

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Não de dar a bunda pro traveco, mas comer um, olha, nada mal!

      Excluir
    2. Sou uma "mulher diferenciada" mas não "traveco", afim de bater um papo.

      Excluir
    3. Olá Tainá! Mande email para cenasmuitoquentes@gmail.com, e vamos bater um papo sim, com todo prazer.

      Excluir
  2. Querido, amei o texto e admito que admiro homens que assumem esse desejo em traçar um travesti, pra mim são mais homens ainda, pois assumem o que querem!
    Li e li também o primeiro do motel do "Espiador" Confesso que fiquei intrigada, eu moro no interior de SP e quando meu ex dono vinha psara cá iamos sempre a um motel (acredito que seja o melhor) de Sorocaba hahaha. E fiquei pensando, poxa se é o motel que frequentava (como boa exibicionista que sou) se eu soubesse teria caprichado mais nas performances rsrs. Miaubeijos miaucuriosos rsrs =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha, éé Princesinha, essas coisas acontecem. Já ouvi boatos sobre cameras escondidas em motéis movimentados, mas esse motel, em particular, que não passo o nome, endereço, nada (e me pedem muito por email), é o unico onde existe um espaço reservado por de tras de cada espelho de cada quarto, e eu acho isso fantastico. É claro, é uma pratica ilegal, mas, em qualquer motel estamos dispostos a ser espiados.

      Haha, olha, e eu imagino que, SE por um acaso alguém assistiu por de trás do espelho os teus miados com o teu ex dono, aposto que explodiu de prazer!

      Excluir
  3. Minha opinião como um homem hétero: Teria que ser um travequinho que tivesse acabado de fazer 18 anos, mas tivesse carinha e jeitinho de menininha de 15 aninhos ( coisa que só vemos em fotos ). A única coisa que eu iria fazer, seria chupar o travequinho, pois prefiro comer o cuzinho de uma menininha de verdade. Apezar de várias mulheres enfiarem o dedinho e dar lambidinhas no meu cu, não sinto prazer em ser penetrado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, o interessante de uma foda com um traveco é poder explorar o penis dela também, afinal, não é "realmente" um homem que está ali contigo, é uma mulher que continuou com pau... hahaha, não sei se teria coragem de cair de boca. Mas é gostoso ver um pau ejacular só contigo metendo no cu.

      Excluir