Melhor Sex Shop virtual!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Histórias da Fernanda #2: Suruba dentro do carro

Eu estava no trabalho, há alguns dias, e a Fernanda resolveu aparecer por lá, para me fazer uma surpresinha (e um boquete surpresa). Ficamos na sala do fundo, onde eu tiro as fotos com as minhas modelos mais tranquilamente. É uma sala com um longo sofá (para supostos "testes do sofá"), uma mesa onde sempre deixo jarra de suco e todo o meu equipamento para fotografar.

A Fernandinha chegou e eu resolvi trancar a porta, afinal de contas, todo mundo da agencia sabe que eu gosto é de ter privacidade (principalmente com as minhas "amigas coloridas"). Ela sentou-se no sofá, jogou a mochila longe, e começou a reclamar da faculdade. Comecei a falar para ela das minhas viagens pra o Rio de Janeiro, e principalmente sobre a Leitora Safada, e o meu final de semana com ela. Foi quando a Fernandinha começou a me contar mais sobre o final de semana dela:

_ Então Edgar, enquanto o "senhor" estava comendo uma leitora, e fazendo um marido chifrudo, eu fui abusada por três amigos da faculdade.
_Amigos? - Eu perguntei.
_Bom, agora, amigos coloridos né, porque eles não podem contar o que fizeram comigo.

"Tudo começou assim. Eu estava triste na sexta a noite porque você tinha ido viajar para o Rio de Janeiro, e desde que tu fez aquela cirurgia, eu não tinha te visto. Eu tava olhando o teu blog sempre, mas nunca tinha atualização, nem nada, nem no twitter. Então, eu resolvi convidar o Michel, meu amigo da faculdade, para sair.
Falei para ele para gente ir em algum barzinho, tomar um chopp, peguei dinheiro com minha mãe e fui lá com ele. Ele me pegou ali perto do Ibirapuera, e fomos. Com ele, no carro, tinha um outro amigo dele, o Augusto. Esse Augusto é um cara legal, porém, só fala merda. Desde que entrei no carro, ele ficou me dando indiretas, querendo saber com quem eu saia, o que eu gosto de ouvir, e chegou até falar que me daria um belo par de sapatos se eu ficasse com ele naquela noite.
Eu ignorei ele, e fiquei na minha. Liguei o som do carro do Michel e fiquei cantando e tirando com a cara dele.

Ficamos num barzinho algumas horas. Chegamos as 21:00 e saímos de lá as 23:00. Só saímos de lá porque o Michel não estava mais aguentando ficar sem tomar um chopp, então tivemos que sair. Enquanto andávamos para o estacionamento, o Augusto, bebado, acabou vomitando numa árvore. Eu também, estava um pouco bêbada. Eu falei, tava triste, então tomei junto do Augusto, duas torres de chopp, e pedi três conhaques. O Michel encontrou um amigo dele no meio da rua, e falou que ia levar o moleque para a casa dele, nunca vi na vida, mas dizeram que ele era da Faculdade também.

Pedi para ir no banco de tras, porque estava acabada e com muito sono. Acabei cochilando assim que ouvi o ronco do motor do carro.

E não é que eu acordo com o Augusto do meu lado segurando meu peito? Quando eu abro os olhos, eu vejo o Michel e o amigo dele me olhando para o banco de tras. Olhei para os lados, ainda tonta por causa da bebida, e estávamos num lugar escuro e vazio. Comecei a me assustar.

_Eles foram para um lugar vazio? Te estupraram?

_Deixa eu continuar:
Eu comecei a gritar com eles né: "Que porra é essa? Para onde me trouxeram?", e o Michel só sorrindo: "Calma Fernadinha, calma, a gente já saiu junto, tu sabe como que é né".


Eu comecei a gritar com eles: "Vai se foder Michel, eu dei pra você, mas só pra você, eu não vo dar pros seus amigos, deixa eu ir embora, vai"


Tentei abrir a porta do carro e estava trancada. Me senti fraca demais para gritar. O Augusto foi apalpando meus seios novamente e se aproximou para me beijar. Ele foi chegando de um jeitinho tão manhoso, que acabei beijando ele.

Assim que o beijei, o amigo do Michel já foi indo para o banco de trás, se sentando do meu outro lado. Fiquei cercada pelo Augusto do meu lado esquerdo, o Menino do lado direito e o Michel na minha frente.
"Vocês não vão fazer isso comigo, né". E o Michel rindo falou: "Vai ser bem devagarinho Fernandinha".


O Michel começou a levantar a minha blusinha e deixou a cima dos meus seios. O Augusto abaixou o meu sutiã e começou a chupar os meus seios. Quando vi, o menino do meu lado direito já estava me beijando a boca, com uma língua muito doce. Michel ligou o rádio e estava tocando músicas eletrônicas, tirou do porta luvas um baseado e começou a acende-lo. O cheiro foi me embrulhando o estomago e a bebida foi ficando cada vez mais alta na minha cabeça.



Eu estava quase apagando quando senti o Michel tirando minha calça. Ainda sentado no banco da frente, vi minhas pernas para o ar e senti que estava sem a minha blusinha. As lambidas de Augusto nos meus seios estava me deixando excitada. Segurei o bico dos meus seios e senti eles duros. O menino do meu lado direito começou a colocar a mão por dentro da minha calcinha, e não parava de me beijar. Senti meu rosto corar, e minha pele arrepiar. Aquele cara que eu nem conheço, estava com a mão na minha xana, e eu sentia que estava muito molhada.

A bebida que eu tomei me deixou totalmente apagada, eu sentia que ia dormir, mesmo com três caras me apalpando. Michel, ainda no banco da frente,começou a alisar a minha perna, e a me deixar arrepiada. Eu ouvi que o Augusto do meu lado estava tirando a calça, eles riram e logo em seguida o Menino do meu lado estava fazendo o mesmo.

"Pronto, agora vamos embora né?" Pensei ter falado, mas não falei. Michel também tirou o seu pau para fora, a cabeçona enorme e roxa, e trouxe minha cabeça para perto do pau dele. Eu mal consegui me controlar, quando dei por mim, já estava com a cabeça do pau dele na minha goela.

Augusto me pegou pela cintura e me colocou no colo dele. Senti a vara dele se mexendo na minha bunda, e ele sussurrando: "Michel, comer essa menina não pega nada não né? Não vai rolar policia não né?" e o Michel respondeu: "Fode logo, amanhã ela não vai se lembrar de nada porra. O "pózinho" estava no conhaque dela".


Ao ouvir isso eu queria ter gritado, ou ao menos mordido o pau dele, mas não consegui. Minha buceta já estava recebendo o pau do Augusto, atolando o cacete grosso e enorme dele dentro da minha xana, muito molhada. Quando fiquei pensando no "pózinho" que o Michel colocou na minha bebida, eu fiquei muito puta, mas não conseguia parar. O menino do meu lado ainda mexia nos meus seios. Larguei o pau do Michel e vi minha calcinha na mão dele, mal percebi a hora em que tiraram. Só sentia as estocadas do pau do Augusto na minha buceta. Eu estava apagando, literalmente. Abri os olhos e já estava com outro pau na boca, o pau do menino do meu lado direito, que nem sabia o nome (e ainda não sei)




A esta altura eu já estava acordando. Minha buceta ardendo de calor e molhada, e os meus seios durinhos. Eu comecei a rebolar no pau do Augusto, e ele começou a gemer feito um louco. Comecei a ficar animada com os gemidos dele, e os gritinhos de prazer. Comecei a chupar mais gostoso o pau do menino também, fui colocando cada vez mais o seu pau para dentro da minha boca, e ele só rindo e dizendo: "ooow, que gostosa de menina". Eu estava ficando insaciável, logo mais a minha buceta começou a liberar mais libido, e o pau de Augusto já não estava dando conta. Fiquei de quatro no banco de trás do carro e ele ficou de joelhos atrás de mim. O Menino, com as calças arriadas e com o cacete para fora nem se moveu, continuou ali sentado, comigo chupando seu cacete.



Até que veio a goza. Me deliciei com a goza dele, sendo jorrada direto na minha garganta, tomei tudinho e ainda pedi um beijo. Ele me beijou bem gostoso, mas senti um pouco de nojo da parte dele. Michel pediu para ele sair, trocara de lugar. Enquanto isso, Augusto, ainda me fodendo de quatro, começou a abrir bem a minha bundinha, e falou: "Fernandinha, seria bom liberar essa bundinha heim". Eu não falei nada, ignorei o pedido dele, e comecei a beijar Michel, que também com o pau levantado e apontando para mim, segurou minha cabeça e me direcionou direto para o seu cacete. Comecei a chupa-lo, e fui sentindo um dedo do Augusto invadindo a minha bunda. 




Tirei o cacete do Michel da boca e comecei a reclamar, olhei para trás e vi que era o Menino-Que-Não-Sei-O-Nome enfiando o dedo no meu cú. E o Augusto rindo. "Não foi eu", ele disse. 
O menino rindo, sentado no banco da frente, continuou estocando o dedo no meu cú. Comecei a reclamar de novo, mas Michel segurou a minha cabeça e começou a meter na minha boca. 




Augusto finalmente gozou, só daí então me toquei que eles nem estavam usando camisinha para me foder. Não tive nem oportunidade de reclamar, com as duas mãos de Michel segurando minha cabeça no seu pau, eu não tive nem reação. E mais ainda que, minha buceta estava insaciável, eu precisava de mais pica para me acalmar. 













Agora quem queria sexo era eu. Forcei para tirar minha cabeça das garras fortes de Michel e me sentei em seu colo. Augusto e o Outro riram e estavam sorrindo, animados pelo meu apetite voraz. Sem falar nada, eu comecei a rebolar no pau de Michel, ele penetrou a minha buceta e começamos a foder, bem gostoso, devagar e ao som de musicas eletrônicas que tocam de madrugada nas rádios. O Menino voltou a colocar o dedo no meu cú. Eu não liguei, seu dedo era fino e aquilo estava me dando um prazer delicioso. Beijei Michel com gosto. 




Augusto estava com o pau duro mais uma vez, sentou no banco de trás e pediu para o Michel sair dali, porque queria me foder de novo. "Tem pra todo mundo". Eu disse. 


Cai de boca no pau de Augusto, enquanto fodia em cima do pau de Michel. Quando eu senti um cacete duro esfregando a minha bunda, o outro menino que nunca tinha visto na vida queria comer meu cu. 

Tentei me virar para dizer não, mas, Augusto prendeu minha cabeça. 
Os três riram, e então eu senti a dura e fina vara do garoto, invadindo minha bunda. 



Gritei de dor e de prazer, afinal, você sabe né Edgar, não gosto de dar o cú. Michel estocando o pau na minha buceta, e aquele bastardo tentando enfiar no meu cu. Mal entrou o pau dele e ele começou a choramingar, blasfemando, e dizendo que ia gozar: "oooooh, gostosa demais essa mina". Comecei a gemer e a sugar o cacete de Augusto, na minha goela, e ele também gozou. Logo em seguida, Michel dando fortes estocadas na minha buceta, já vermelha e gozada, também gozou. Fez caretas horríveis enquanto gemia de prazer. 



Os três saíram do carro e começaram a se vestir. Aos poucos eu fui localizando minha calcinha, minha calça. Eles entraram e não falaram um "A". Saímos daquele breu da noite, e fomos para a cidade. Eles tiveram a audácia de me levar para fora da cidade, para fora de uma rodovia que nunca vi na vida, longe de tudo. 

Michel me deixou em casa, disse boa noite e foram embora. 
Entrei em casa, tomei um banho e dormi assada. 

***

_Uau, bela história heim Fernanda. 
_Bela nada, mas valeu a noite. 
_Valeu é? E quando é que vai liberar essa bundinha para mim heim? Tá liberando pra gente que nem conhece.
_Aah, vai te catar Edgar. 



6 comentários:

  1. A cena do cara gozando me deixou com agua na boca, adoraria beber toda a porra dele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oras, e eu adoraria presenciar essa sua bebida.

      beijos, e abraços.

      Excluir
  2. Quando conheci meu marido, logo rolou sexo. Ele contou que uma das taras dele, era gozar na boca da mulher. Ele ficou muito excitado, quando eu disse que já havia feito em alguns namordos que tive. Sempre engoli e achei muito excitante ele sempre me beijar, sem nem mesmo eu pedir ( um ex nem chegava perto do meu rosto, quanto mais me beijar ). Uma vez, quando ele ia começar a gozar e estavamos ambos muito excitados, ele pediu para eu não engolir e beijá-lo com a boca cheia. Fiquei morrendo de tesão em ouvir o pedido que ele havia feito. Foi um beijo delicioso que rolou e senti que parte da porra dele tinha passado prá boca dele. Quando paramos de nos beijar, confessei prá ele que eu nunca tinha sentido tanto tesão durante um beijo, principalmente quando ví que ele tinha engolido a porra que tinha ido prá boca dele. Hoje em dia quando fazemos isso, passo tudinho prá boca dele......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas que delicia de relato! Me excitou muito. É muito bom ver casais que se entendem na cama, e compreendem a tara um do outro. Fetiche é algo importante para manter um casal unido. Que gostoso.
      Eu tambem gosto de beijar a garota depois de engolir a minha porra. Não vejo problema nenhum. É mesmo excitante um beijo dessa forma!

      Excluir