Melhor Sex Shop virtual!

domingo, 1 de setembro de 2013

Amizade Colorida: Fernandinha #2

Olá, boa tarde meus queridos leitores.
Vim hoje para falar um pouco mais sobre a minha amizade colorida com a Fernandinha. Minha deliciosa garota maliciosa, ninfeta do meu dia a dia. A causadora das minhas atuais ejaculadas animadas das noites.

--

Semana passada, eu estava no escritório, batendo umas fotos, quando de repente meu telefone tocou, era ela, a minha ninfeta:

_Oi Edgar.
Marcava 11:30 no relógio, logo logo seria o meu almoço, e pelo que sei, Fernandinha ia sair da faculdade em poucos minutos.
_Tem como você vir me buscar aqui na facul? Estou com saudades.
Indo de carro até a faculdade dela, eu chegaria em 20 minutos, disse que sem problemas, que pegaria ela terminando a sessão de fotos que eu havia começado.

Terminei, deixei meus equipamentos todos na sala e a tranquei, me despedi da cliente, avisei meu sócio que ia sair para o almoço, e fui para a faculdade da Fernanda. A peguei num ponto de ônibus. Ela estava animada, rindo e falando alto. Foi levantando o meu astral, como sempre faz. Ela tem um sorriso contagiante, que alegra o dia.

Fomos conversando, ela aos poucos ia aproximando a mão nas minhas pernas, e da minha perna para o meu pau. Estava mesmo animada.
_Edgar, meus dias de menstruação acabaram, vamos ter que dar umas hoje!
_É você que manda menina!

Antes de irmos para minha casa, passei no estúdio onde trabalho atualmente com as fotos das modelos. Chamei o meu sócio e disse que estava com um imprevisto.
_Poxa, mas hoje ta lotado aqui Edgar, serio mesmo que não pode fotografar a menina das 14:00?
Botei a mão no ombro dele e o consolei:
_Meu amigo, estou com um "SERIO" problema, preciso ir pra casa. Esta vendo aquela menina ali no carro?
Apontei para Fernandinha cantando algo a musica do Queen que tava tocando na radio.
Ele sacou na hora, botou a mão no meu ombro e disse que eu estava livre por hoje, mas que amanha teria que botar o serviço em dia.

Sai correndo do estúdio e fui para o carro, Fernandinha não parava de cantar, ela fechou os vidros do carro, e enquanto eu dirigia, ela foi desabotoando a minha calça. Abaixou o zíper e alisando a minha perna, o meu pau foi crescendo. Fiquei sem medo de alguém ver, se vissem uma garota pagando um boquete para mim dentro do meu carro, eu só olharia e faria cara de que estava gostando. Por sorte ninguém viu.

Ela caiu de boca, chupando e fazendo garganta profunda enquanto eu dirigia. Como ela não estava de olho onde estávamos, eu passei quatro vezes na mesma rua, só pra poder gozar na boquinha dela.

Ela riu, me deu uns tapinhas dizendo que eu devia ter avisado ela que iria gozar. E fomos para casa.
Chegando lá, perguntei se ela estava faminta, me agarrou por trás, segurando meu pau, que já estava duro de novo só com o toque dos dedinhos dela:
_Eu comeria um boi.
Fiz um omelete para ela, enquanto ela correu para a sala e botou um pen drive na minha TV, disse que era um filme que eu não podia deixar de assistir. Caçou no armário aquelas pipocas de microondas, e colocou para estourar. Eu levei o omelete dela para a mesa e ela devorou, estava mesmo faminta.

Sentei no sofá assim que ela terminou o omelete, ela pegou a pipoca no microondas e sentou-se do meu lado. "Aperta Play", ela disse animada, me deu um beijo no rosto.
Apertei play, ela com o saco de pipocas na mão, o colocou de lado e levantou um pouco a camisa, mostrando a sua barriguinha:
_Esta ficando calor aqui, Edgar, não está?
Eu achei engraçado a cara dela, e a desculpa para subir a camisa, só para eu poder ver a sua barriguinha. Ela sabe que isso me excita. Concordei com ela, comecei a sobrar no rosto dela, e ela deu um sorriso malicioso para mim. Logo logo estaríamos nus. 
Como é bom ter uma menina de 20 aninhos no sofá da sua casa, mostrando a barriguinha, e que, você sabe que vai comer daqui a alguns minutos. Mesmo naqueles dias cansativos, o teu pau fica teso de uma maneira assustadora.

Na TV, começou:

"Em uma galaxia distante, uma princesa.
Quando atinge certa idade,
precisa arrumar um marido.
Cinco príncipes de planetas próximos

Uniram-se no castelo da Princesa,
Mas somente aquele que satisfazer todos os desejos
sexuais da Princesa, poderá se casar com ela.

Cinco noites de prazer e luxuria estão esperando os príncipes.
... Que a disputa comece."

Achei engraçado, era uma animação de putaria. Ela colocou a cabeça no meu ombro, e caladinha, ia pegando a pipoca. Fui comendo junto com ela.
Na animação, as naves dos príncipes chegaram no planeta da princesa. Logo em seguida, a princesa pelada precisa entrar num quarto, onde encontra um Gnomo com um pau pequeno, mas que cresce de acordo com a vontade dele.
Aquele desenho continuou me deixando excitado. Fernandinha sabia disso, começou a pegar a pipoca com uma mão e com a outra começou a alisar o meu pau.
Eu deixei, ela queria brincar, e eu a deixei.

Pouco tempo depois, o gnomo já estava mandando ver na princesa gostosa. Fodendo ela gostoso. Fernanda deixou a pipoca de lado e olhou para mim. Eu estava atento na TV, ela me socou um beijo demorado de língua, disse que ficou triste em ter estado 4 dias sem meter.
_Ficar naqueles dias me deixa estressada, você sabe ne.

Continuamos nos beijando, ela abriu as pernas para mim, sentada do meu lado no sofá.

Eu fui descendo, descendo, até chegar no umbigo dela, dei um beijo, e ela se deitou no sofá, confortável. Ela abriu o botão da calça e enfiou a mão para dentro da calcinha. Eu fiquei ali observando o show, e o que ela iria fazer. De pernas abertas para mim, mas ainda de calças, ela começou a se masturbar. Colocou a camisa acima dos seios e puxou o sutiã para baixo, me deixou vendo aqueles seios deliciosos que ela tem. Seios de ninfeta. Rosado e apetitoso.
Ela estava gemendo, louca, delirando de prazer, e eu sabia que era hora de agir.

Comecei a puxar a sua calça bem devagar, ela gosta de quando tiro a calça dela daquele jeito. Fica ainda mais excitada. Depois de tirar a calcinha, comecei a tirar a calcinha, também de leve, e bem devagar. Sua bucetinha toda molhada, e ela ainda gemendo. Ela continuou de pernas abertas, abrindo caminho para eu cair de boca naquela xota depilada.

Mergulhei dando um beijo na perna, outro na outra perna, e fui passando a língua bem devagar pelos lábios vaginais dela. Eles foram se abrindo aos poucos, e Fernandinha, de olhos fechados, esboçando curtos e baixinhos gemidos, começou a relaxar. Eu deitei minha língua em cima de seu clitóris e comecei a caprichar, ela foi delirando, soltando ainda mais suspiros de prazer alucinados, se molhando ainda mais.

Ela deu uma olhadinha para a TV de relance e me deu um tapinha:
_Eu adoro essa parte.


Olhei para a tela, (8:57), o gnomo estava metendo no cu da princesa, com vontade. E a vadia da princesa gemendo feito louca. "Animação muito adorável", pensei comigo.


Me dediquei um pouco mais no sexo oral, entre as pernas de Fernanda. Ela gemeu mais alto enquanto eu passava a língua de cima para baixo nos lábios vaginais dela. Quando chupei o seu clitóris bem devagar, e comecei a esfregar minha língua nele, circulando, ela delirou. Se esqueceu da animação, retorceu o corpo e ficou doida. Gemeu mais alto, e com mais pressa.
Com a primeira gemida alta, quase um grito, continuei passando a língua, chupando, e acariciando toda aquela bucetinha deliciosa com a boca. Aproveitando cada centímetro.

O gosto de buceta já estava na minha boca toda, e Fernandinha estava com gemidos cada vez maiores.
Pediu pra eu parar assim que deu a primeira contração. Me sentei do lado dela, meu apartamento estava ficando quente, eu e ela estávamos começando a ficar suados.

Me levantei, e ela começou a tirar a minha calça, puxou com tudo, e logo em seguida puxou a minha cueca até o chão. Eu me sentei no sofá de pernas abertas. Olhei na tela e a Princesa agora estava fodendo com um robô pneumático, segurando suas pernas e mandando ver na bucetinha.
Fernandinha caiu de boca no meu pau, chupando ele inteirinho novamente, dessa vez, sem o cambio da marcha para atrapalha-la, ela caiu de boca por completo.

Indo da cabeça do meu pau, e deixando ele todo na sua boca, ate a goela, até não aguentar e seus olhos encherem de lagrimas.
Passando a língua na cabeça, e me masturbando de leve. Cada vez mais carinhosa, cada vez mais atenciosa. Um boquete perfeito. Eu deliro.
Toda vez que penso que já recebi os melhores boquetes na minha vida, Fernanda vem e me faz um melhor ainda.

Sempre me surpreendendo.

Largou meu pau. Meu pinto, duro, ereto, estava grosso, e pulsando, querendo a xoxota molhada dela. Ela subiu em cima de mim, e começou a cavalgar no meu pau. Penetrou meu pau na sua buceta com uma facilidade tremenda, ambos estávamos molhados. Desde que ela começou a tomar os anti concepcionais, paramos de usar camisinha (como já contei no conto de Londres, segue o link), então, nossas fodas começaram a ser mais impulsivas. Metemos todo tempo, é só sua buceta estar molhada e meu pau ereto e pronto, eles se encontram.

Ela começou a cavalgar, de leve, sorrindo para mim. Eu a abracei, passando meus braços pela sua cintura, e fiquei encarando o desenho da Princesa. O Robô Pneumatico mandando ver na Princesa, quase finalizando. E meu pau ali, no vai e vem, entrando e saindo de Fernandinha, gemendo no meu ouvido e me deixando louco.

Quando senti sua buceta se contrair mais uma vez, ela desceu do meu pau, e começou a me chupar. Colocou seus labios na cabeça do meu pau e começou a bater uma punheta deliciosa para mim. Eu fui delirando, delirando, até que avisei para ela que gozaria. 

Ela me apunhetou mais, lambeu meu cacete e eu gozei. 

Ela se sentou do meu lado, ainda com fogo. Fiquei ali ainda, nu, junto dela, e ambos assistindo a animação pornografica. Voltamos a nos beijar quando a princesa estava metendo com uma planta, num vai e vem delicioso de quatro (24:00), Fernandinha ainda estava com pique, se deitou próximo do meu pau e começou a me massagear. Quando dei por mim, ela ja estava me chupando de novo. 
Fechei os olhos e deixei ela me chupar, estava uma delicia tudo aquilo.


Não aguentei a mais essa chupada de Fernandinha. A joguei deitada no sofá, ao som daquela animação pornografica, botei as pernas da Fernanda no meu ombro e comecei a penetrar o meu pau naquela buceta, que pedia por pica. 




Ela começou a rir, estava excitada e nao queria pensar em outra coisa a não ser pau. 

Penetrei-a e ela gemeu, comecei com o vai e vem de maneira bem classica, mexendo bastante o meu quadril, e ela gemendo mais, gemendo mais, rindo, um largo sorriso. 

Depois de alguns dias sem metermos, porque ela estava menstruada, tudo que ela queria era receber pica dura na buça.

Ela pediu pra eu enfiar mais fundo, e eu enfiava mais fundo. Ela pediu pra eu enfiar com mais força, e eu comecei a enfiar com mais força. Alguns pingos de suor ja caiam da minha testa, ela também já estava molhada de suor, o meu apartamento pegando fogo de calor, mas estávamos lá, metendo, no meio da tarde. 

Nos 35 minutos da animação, a princesa fodia uma espécie dela mesma, só que em forma de bolha. Eu tirei meu pau da bucetona, agora larga e inchada da Fernanda, e ela pediu por mais. 


Se deitou de de barriga para baixo e empinou a bunda para mim. De quatro eu não resisti. Enfiei meu pau o mais fundo que pude, bati minhas bolas com tudo contra o corpo dela, e comecei a meter. Ia metendo com pressa, com vontade, para acabar com a buceta dela de vez. Senti a buceta dela se contraindo quando ela começou a gritar em vez de dar gemidos. Senti a pele dela escorregadia com os nossos suores misturados. Eu não queria parar de meter.


Meu estado de frenesi com o calor, mais uma vez, como ja comentei aqui. Olhei para a TV e a princesa agora fodia uma espécie de dragão em forma de pinto que penetrava na buceta dela. Eu percebi que ja estava metendo na Fernandinha a bastante tempo, e os gemidos dela já tinha virado gritos de prazer. Ela gozou em cima do meu pau, sua buceta esmagando minha pica toda, mas eu não queria parar de meter. 
Comecei a dar estocadas mais duras e secas nela, ela ia para frente com vontade e prazer. Sua buceta estava larga e escorregadia, vermelha como pimenta e quente, parecendo febril. Sua goza por todo sofá. 

Puxei sua cabeça para mim e soquei um beijo nela, dei alguns tapas na bunda dela e senti sua buceta se fechar denovo. Ela empinou a bunda para cima, tirando meu pau de dentro de sua buceta, e gozou. Ejaculando pelo sofá todo e tremendo as pernas. Cansada, derrotada.

Me sentei no sofá e ela ficou ali elogiando a foda. 
Finalmente a animação acabou. Foram cerca de 40 minutos de foda, mas que durou tanto tempo que eu poderia dormir por uma semana. 

Ela se sentou do meu lado, e elogiou o coito. Começou a me bater mais uma punheta para eu poder gozar, é claro, que pedi para ela cair de boca. 

Foi assim que gozei na sua goela mais uma vez, e dessa vez, ela não reclamou, tomou tudinho o leitinho do Edgar. 


---
Para caso tenham se interessado pela animação, segue o link: 



Por hoje é só, seus fogosos! 
Não esqueçam! 

4 comentários:

  1. A difícil arte de dirigir, gozar e ñ bater o carro!
    Coincidência do caralho, cara! Nem sei quantas vezes me masturbei fantasiando que eu era uma princesa enjoada e os plebeus faziam fila na porta do castelo pra ver quem passaria no...experimento!
    Nem me imagino no lugar da Fernanda porque ñ sou tão jovem e bela! Você é um fodedor de primeira, hein?! Ai, meus 20 anos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha, essa difícil arte não é tão complicada quanto parece. É só manter o foco na pista! E claro, aqui em São Paulo nem tem como se preocupar tanto, já que tudo é lotado, não tem nem como chegar mais de 40 km/h na hora do almoço. É tudo parado essa droga.

      Uau, que pensamentos gostosos. Quando era criança, lá na época que me masturbava pensando na Sra. Cursino, eu ficava imaginando que era o Conan, e que comia todas aquelas princesas que salvava de terríveis castelos de terríveis vilões.

      Beijaços linda Chocolícia.

      Excluir
  2. Que delicia gostosa Edgar...
    Vou voltar aqui no teu blog.
    Beijo n´OsLábios

    Laura Rouge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volte sempre, e seja bem vinda Laura.

      Já estou espiando o teu blog! :P
      Beijos.

      Excluir