Melhor Sex Shop virtual!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Sexo, Putaria e Rock n Roll


Olá pessoal, para quem ainda não conhece o Bordel Boa Chupada, eu falei sobre ele aqui, neste post sobre a Natasha. Hoje, contarei sobre a segunda vez que fui no bordel Boa Chupada, mas, diferente da primeira vez, não fui para um quarto de luxo, e nem com a deusa da Natasha, mas, espero que gostem mesmo assim. 


Por dias fiquei louco de tesão, pensando a toda hora em Natasha. Na noite que contei aqui no blog sobre a minha aventura com a deliciosa Natasha, no Bordel Boa Chupada, acabou quando, depois de uma trepada violenta, ficamos fumando narguille na cama redonda do quarto vip. Acontece que, depois daquilo, ela foi pro banho, Jorge me agradeceu pela foda e disse que eu estava convidado para voltar sempre. E sempre que ele estivesse ali, eu não precisaria pagar para entrar, mas que teria que pagar pelas putas, principalmente por Natasha, a mais cara e mais cobiçada da casa.
Por este motivo, não me animou voltar para comer Natasha, mas fiquei louco de tesão e desejo para voltar lá, só pra ver pelo menos o rabo delicioso daquela gostosa.


Voltei no sábado da outra semana, fiquei 5 dias socando punhetas e mais punhetas pensando naquela foda deliciosa que tivemos, não parava de lembrar nos dois paus entrando e saindo de Natasha, e ela gemendo em cima de mim. 


Quando entrei no Bordel Boa Chupada, vi a stripper da noite, rebolando na frente de um velho de roupas sociais. O Velho estava com o pau duro, demonstrando isso, e a stripper socando a bunda na cara do velho, rebolando loucamente, por pouco não voava suor das costas da vadia cansada na boca do velho. Olhei ao redor, vi algumas putas andando pra lá e pra cá, a maioria vestida de empregadas safadas, ou de diabinhas. Até mesmo a bar-girl estava com uma roupa apertada e voluptuosa.

Me aproximei do balcão, assim que entrei no Bordel recebi uma comanda onde se marcam as bebidas, deixei em cima do balcão e a moça servindo um drink pra dois rapazes logo ao lado já me perguntou o que eu iria querer, pedi uma coca, ela anotou na comanda e me serviu sem demora, muito atenciosa, claro.

Peguei a coca e fiquei olhando para a stripper, deliciosa, estava prestes a sair, a musica mudou de Shakira para System of a Down, e então entrou uma peituda com muito entusiasmo no palco. Ela rebolava muito, passava as mãos nas coxas e delirava os marmanjos na cadeira próximo a ela. A garota sabia como agitar a noite, dava pequenos saltos conforme a musica ia se desenvolvendo, fazendo seus seios vibrarem, para cima e para baixo, causando a loucura de todos ali ao redor. Quadril bem desenhados, usando apenas uma calcinha fio dental, e dando reboladas girando no palco. Delicia de garota, batons vermelhos e olhar bem penetrante. Começou a tirar bem de leve a calcinha, levantando o pau de todos ali só com os singelos toques na lateral da calcinha, levantando e abaixando. Sorria com o canto da boca, não estava ali por grana, estava para fazer gozarem pensando nela.

Empinou a bunda e começou a mexer os quadris, para esquerda e para direita, com demora, sem pressa, e assim ia tirando a calcinha fio dental do meio da bunda.


Se levantou, ficou de corpo ereto e a calcinha já estava no chão. Foi se abaixando, se sentando sedutoramente, ergueu uma das pernas e com o dedinho indicador da mão direita, foi passando, do joelho, indo pela coxa, chegando na xoxotinha molhada. Este dedinho que todos seguiram atenciosamente com os olhos, pousou e ficou ali no grelinho. Com a outra mão, caminhou também os dedos do joelho, passando pela coxa e chegando na bucetona, com esta mão, abriu bem os lábios carnudos da buceta. O dedo que já estava no grelinho, ela começou a mexer, a massagear pra lá e pra cá. E aos poucos o sorriso de fogosa dela se tornaram uma boca com dentes serrados, os olhos penetrantes em olhos fechados e loucos de tesão.






Quando a galera sentada ali já não aguentava mais ver aquela tesuda, ao som de system of a down socar uma siririca, ela voltou com o sorriso maléfico, deixaria todos na mão. Se levantou com um salto, empinou novamente a bundinha e foi fazendo frescuras e gracinhas escondendo a xota. Mas continuava com os saltos sexys, ressaltando os seios, pra cima e para baixo. e com o dedinho que havia acabado de masturbar o clitóris daquela bucetinha carnuda, ela começou a girar a sua calcinha fio dental.
Olhei com atenção para ala vip, vi alguns homens mais velhos, sentados, tomando um drink, todos bem vestidos. Continuei olhando atento para aquele canto, mais escuro e com iluminações vindos do chão, neon roxo, e lá estavam as putas ajoelhadas chupando o pau dos magnatas. Sorri, estava excitado, não sabia se curtia a musica e assistia a tesuda rockeira rebolando e girando a calcinha fio dental no dedo, ou se tentava entrar na área vip para receber uma boa chupada.

Quando me levantei para ir até a ala Vip, para enfim, marcar na comanda que queria contratar o serviço VIP, eis que passa a minha frente a Deusa, rabuda, gostosa, cheirosa, delirante, Natasha.

"Olha quem esta aqui", disse ela sorrindo. Eu fui logo para o beijo na bochecha dela. Via os marmanjos ali olhando a rockeirinha no palco, ou os rapazes no balcão tomando um drink, tudo virando seus olhos para o rabo delicioso de Natasha, usando um laço gigante na calcinha fio dental, como se ela fosse sempre um presente (E que presente).
_Sim, vim aqui te ver, mas, soube que você é a mais cara da casa".
Ela riu e deu de ombros, era mesmo cobiçada.
_Hoje não aconteceu, mas tem dias que sou leiloada aqui dentro.
Eu ri, sabiam mesmo como ganhar dinheiro com a safada, a melhor puta dali de dentro era leiloada, e eu não tinha tanta grana para pagar.
_Ok, mas hoje eu vou ficar com uma mais simples, tudo bem linda? contei para ela, e ela riu: 
_Eu já disse, tem garotas muito melhores do que eu aqui.
_Me recomenda alguma?, pedi para ela.

E ela apontou para o palco. Me recomendou a putinha rockeira, disse que o nome dela era Cristina ou apenas "Rockeirinha", como Natasha a chamava.

A garota terminou sua dança e foi para trás das cortinas. Natasha havia me dito que em alguns minutos ela estaria livre para tomar um drink e ser contratada. Nos despedimos com um beijinho no rosto, Natasha seguiu seu rumo e eu fiquei ali no bar, apreciando as novas strippers, subiram duas garotas no palco e começaram a rebolar, uma muito proximo da outra, de jeito que fez todo mundo ali do bar ir lá para perto do palco assistir. 

Não demorou muito e lá estava a Cristina, se aproximou do bar para tomar uma bebida. As prostitutas e dançarinas do Bordel tinham um enorme respeito, fiquei acanhado em me aproximar da gostosa, mas, se eu estava com grana no bolso e estava disposto a come-la, e poderia chegar junto sem delongas. Cheguei junto dela, ela se virou para mim.
_Cristina? A Natasha me falou muito bem de ti.
Ela sorriu. Convidei ela para tomar um drink, ela ja havia pedido uma cerveja. Tomou e eu pedi para marcar na minha comanda. Sorriu para mim novamente. 
_Vamos para o quarto? 
_O quanto antes, delicia. 

Antes de irmos, ela pediu para tomar a bebida, queria recuperar o folego da dança. Ela começou a me explicar como funcionava as coisas ali no Bordel enquanto isso. As putas ficam transitando pra lá e pra cá, se tu quer comer alguém, pega uma delas e suba pro quarto. Se não estiver afim de foder, fique assistindo as strippers no palco. Se quer apenas assistir e ainda ter tratamento VIP (uma Boa Chupada), fique na ala VIP. Simples assim.

Quando ela terminou a cerveja dela, guardei a comanda no bolso e saímos dali. Ela pegou na minha mão e foi me guiando para os quartos (que como já descrevi aqui no post da Natasha, fica subindo uma escada guardado pro alguns seguranças). Passamos pelos seguranças e ela foi procurando por algum quarto que estivesse vazio, acabamos entrando no terceiro da direita. Ela virou a plaquinha da porta para 'NÃO PERTURBE', e mesmo assim trancou a porta, para evitar 'pessoas distraídas que não viram a tal plaquinha'.
O quarto não era tao luxuoso quanto o Quarto lá do ultimo andar que fiquei com Natasha e o Jorge. Este tinha uma cama comum de casal, ventilador de teto e espelhos do lado direito e esquerdo do quarto. Uma TV de LCD 17'' no canto esquerdo e um banheiro.

Ela se sentou na cama sorrindo, pediu minha comanda e marcaria o nome dela. Me lembrou quando vamos em restaurante e a moça do refrigerante marca na tua comanda que tu comeu por kilo, pegou uma sprite e ainda levou sobremesa.
O quarto bem aconchegante, bem iluminado. Ela me ensinou a equalizar a luz do quarto, no interruptor próximo a porta ou num controle remoto ao lado da cama. De decotes botando os seios pra cima, desde o momento que a vi dançando no palco, notei que ela permanecia um sorriso no canto da boca, essa garota era provocante. devia ter no máximo seus 24 anos, novinha de tudo. Provocante com quadris provocativos, bunda empinada. Ela começou a tirar o decote que estava usando, soltando os laços da parte de trás da blusinha. Me aproximei para ajuda-la. Disse para ela ir com calma, afinal, teríamos a noite toda, e ela sossegou, largou os lacinhos e deixou que eu os soltasse.
Perguntei se ali tinham serviço de quarto, e ela disse que os donos faziam de tudo para parecer um motel de luxo, com serviço de quarto e ate programação porno nas tvs dos quartos.

Comentei com ela que desde sempre ouvi System, e ali no quarto, enquanto tirava a blusinha dela, e aqueles lindos seios claros, lindos, enormes e macios ficavam expostos, falamos sobre bandas dos anos 90. Nem parecia uma prostituta de tantos assuntos que tínhamos.

Seus seios expostos me excitaram, aquela garota tinha um cheiro sedutor que também fazia o meu pau levantar com tudo que sempre pode. Comecei a beijar a nuca da garota, ela colocou o cabelo de lado e só foi respondendo aos meus estímulos. Peguei em sua cintura e fui descendo as mãos. Ela ainda estava com a mesma calcinha fio dental que estava usando durante o show no palco. Só coloquei a calcinha de lado e já senti o quão macio era aquela bucetinha depilada. Pequenininha e começando a ficar melada com os estímulos no pescoço. Com a outra mão, comecei a massagear seu seio, delicioso, quente e macio.
Ela virou o rosto para mim, me beijou o pescoço e a bochecha. Eu respondi aos pedidos dela, a beijei na boca, um beijo demorado, enquanto continuava estimulando o bico de seu seio e masturbando sua xaninha, com ela ali, sentada a minha frente, entre as minhas pernas.

Parou com o beijo, e se sentou no meu colo, continuei a masturbando, ela tirou a calcinha, estava totalmente nua em cima de mim agora. Só gemendo de olhos fechados, se arrepiando com a minha masturbação em sua xota. Meus movimentos com os dedos estavam aumentando de ritmo cada vez mais, meu pau guardado dentro da calça já não aguentava mais. O calor no quarto começou a aumentar. Ela começou a rebolar em cima do meu pau com mais velocidade, e seus primeiros gemidos de prazer. Os movimentos que eu usava em sua bucetinha era o mesmo que ela usou no palco com o dedinho indicador, para esquerda e para direita, era o jeito que ela adorava. Foi assim que comecei a arrancar dela alguns suspiros mais descontrolados.

Ela olhou para mim, nos meus olhos, ficou em pé e essa era a hora de eu tirar a minha calça, pensei que ela ia para o banheiro mas na verdade subiu em cima de mim e começou a me beijar. Nos beijamos de um jeito quente, e gostoso. Só então ela se levantou novamente, e caminhou até o banheiro enquanto eu me despia. Joguei a calça e a camisa longe e me enfiei por debaixo da coberta. Ela foi no banheiro para tirar o borrão da maquiagem e para prender o cabelo com um hashi. Subiu na cama louquinha, senti o cheiro de bucetinha molhada vindo dela. Ela sorrindo, querendo mais. Sentou-se em cima de mim. Eu estava debaixo do lençol, e ela sentada em cima de mim, e em cima do lençol. Começou a rebolar em cima do meu pau, freneticamente, roçando meu pau no seu clitóris  Ela adorando. Seus seios balançando, uma diaba, gostosa e quente. 

Sua buceta já estava totalmente molhada, e o meu pau mais molhado impossível  Eu queria era meter naquela bucetona gorda o quanto antes. Me sentei, chupei seus seios enquanto ela continuava rebolando em cima do meu pau, com velocidade, com vontade.
Ela disse que já não aguentava mais. Olhei para sua xota e ela estava toda molhada. Meu pau aparente debaixo do lençol, ela excitada querendo ele dentro de sua gruta molhadinha. Riu enquanto tirava o lençol de cima de mim para se sentar no meu pau. Ela já estava prevenida com uma camisinha nas mãos, e já foi colocando no meu pau. Logo que colocou, começou a rebolar feito louca, parecendo que estava no cio.

Rebolando e deixando que meu pau se encaixasse em sua bucetinha molhada, ela começou a gemer. Eu não fui bobo, não parei de chupar seus seios nenhum segundo. Segurando sua bunda enorme, redondinha, a sua buceta ia cobrindo meu pau inteiro, subindo e descendo, num ritmo gostoso.

Os seios dela, subindo e descendo estavam me deixando loucos. Larguei sua bundinha e fui logo segurando seus seios lindos. Não parei de chupa-los.

Ela pediu por um tempo, senti tua bucetinha contrair duas vezes em cima do meu pau. Ela se levantou, e me perguntou como eu queria come-la. Eu pedi para ela ficar de quatro. Se aproximou de mim e me socou um beijo na boca. Ficou de quatro na cama, com a buceta vermelha e molhada, esfreguei o meu pau nos lábios da bucetinha dela, e ela vibrou. Queria receber minha pica, enquanto eu lambuzava o libido da xota dela no meu pau, e ia esfregando pelos lábios vaginais todo dela, ela começou a rebolar aquele quadril delicioso no meu pau, querendo que eu esfregasse com mais força.

Frenética na cama, eu comecei a beijar sua nuca, agarrei sua bundinha e comecei a meter na sua bucetinha, que ja estava fervento de tesão. Pingando goza.


Ela gemendo bem baixinho, parecia tímida apesar do sorriso provocante. Ela de olhos fechados todo o tempo, estávamos a meia luz, e o calor só aumentando. Puxei ela para mim, ficamos eu e ela de joelhos na cama, ela na minha frente, indo pra frente e pra trás, e o meu pau entrando e saindo daquela buceta molhada. Com uma mão comecei a masturbar o seu clitoris. Ela começou a delirar, seus gemidos baixinhos começaram a aumentar e ela começou a ficar ofegante. Senti algumas contrações vindo de sua xana molhada. Escorrendo libido pelas pernas. Com a outra mão, apertei sua garganta, dificultando a respiração dela. Sua buceta contraiu com tudo, e senti seu corpo se arrepiar.

Ela aumentou o ritmo de suas reboladas, e eu aumentei o movimento no seu clitóris. Ela gozando, sua contração aumentou, apertou meu pau, e ela parou. Não aguentava mais. Seu ultimo gemido entregou um imenso orgasmo a ejaculação saindo de sua buceta.

Meu pau estava teso, não aguentava continuar metendo, mas também não queria gozar agora. Pedi pra ela me chupar, e ela fez com gosto. Se aproximou das minhas pernas e começou a me chupar como louca. Passava a língua para lá e para cá, enfiava meu pau todo na sua boca e então ia passando a língua para todos os lados, querendo alcançar o meu saco. Eu estava delirando, estava quase gozando, segurei sua cabeça e avisei que ia gozar. Ela fez uma garganta profunda e acabei gozando, gemendo feito um boi. Tirei a camisinha, e ela, limpando os cantos da boca, disse que queria mais. Olhei no relógio e já faziam uns 40 minutos que estávamos 

ali, se eu pagasse por mais uma hora com ela, sairia falido do borde. 

Dei um beijo na testa dela e disse que havia sido ótimo, e que, obvio que voltaria:
_Que garantias você me da que volta? 
_Oras Cristina, eu ainda não fodi teus seios, e nem a sua bundinha. 
Ela riu, fez uma cara de safada e mordeu os lábios, e então me disse: 
_Sabe que eu não costumo dar o cu, mas, do jeito que tu me fodeu, pra você eu libero, e nem faço questão de aumentar o preço. 
Deu um baita beijo na boca dela:
_É assim que se fala, é por isso que vou voltar. 

Ela foi pro banheiro, disse que ia jogar o chuveirinho na xota pra refrescar. Eu me deitei, estava suado e cansado. Ouvi o chuveiro ser ligado, corri para o banheiro tomar um banho com ela. Eu ainda estava com fogo, e no banheiro acabamos fodendo gostoso mais uma vez, e mais uma vez trocando beijos demorados e caricias. Apalpar aqueles seios era o mais delicioso da noite. 

Depois do banho, o relógio marcava que estávamos ali a quase uma hora. O telefone do quarto tocou, devia ser a recepcionista avisando que já deu uma hora. Ela me deu seu telefone:
_Quando vier, me avisa, vou me preparar pra você. 

E foi assim que fui para casa realizado. 
No papelzinho onde ela deixou seu telefone, estava escrito ainda: "De sua rockeirinha, beijos beijos"


4 comentários:

  1. Senti uma pontada de ciúme! Sou bobona??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei te responder, me pegou de surpresa agora. Achei que deixaria meus leitores excitados, e não com ciumes! Te excitei com o texto?

      Excluir