Melhor Sex Shop virtual!

sexta-feira, 29 de março de 2013

Beatriz, vestido vermelho (Parte 3)


Olá leitores do Cenas Muito Quentes. Hoje estou aqui para encerrar a trilogia sobre Beatriz, a louraça belzebu e provocante! 
Na ultima foda com Beatriz, ela havia me fudido gostoso, cavalgado em meu pau, forçado a ficar ereto, forçado a não gozar, forçado em estar preso e aguentar aquela ninfomaníaca acabar comigo, com meu corpo. Agora era a minha vez. 

Ela se deitou, algemei-a na cabeceira, ela estava excitada, e excitante, abriu as pernas. Sua xota estava pulsando, ainda contraindo, abrindo e fechando. Como ela não podia me tocar,  resolvi fuçar no tal criado mudo onde ela tirava todas aquelas merdas. Ela riu: "O que ta procurando ai heim?". Peguei o tal consolo roxo, com um botão no fundo. Apertei para o modo on, e aquele pau enorme começou a vibrar. Ela riu: "Não, não vai usar ele ne?", eu acenei que sim com a cabeça.
Ela começou a ficar excitada, vi sua buceta se contrair de novo.


Ali no criado mudo também tinha um chicote. Com a corrente com presilha, deixei nos bicos dos seios dela. Coloquei na minha boca e iria ficar puxando a toda hora que metesse naquela gostosa. O consolo eu fui penetrando na bunda dela.

Ela tentou lutar, mas com um cuspe bem dado naquele anelzinho dela o consolo foi entrando aos poucos. Ela revirou os olhos, havia adorado o vibrador socando aquele cu. Masturbei o meu pau um pouco mais, ele voltou a ficar duro, agora que eu era o dominante ali, as coisas estavam começando a ficar excitantes de novo. Puxei os bicos de seus seios com a correntinha na minha boca. Ela rebolou.


O vibrador na bunda dela estava saindo, talvez ela estivesse o empurrando, mas eu o coloquei de volta, la no fundo. Ela gemeu, gritou de dor, mas adorava aquilo tudo. Com meu pau duro de novo, comecei a penetrar aquela bucetinha gostosa, quente e gozada. Ela estava muito molhada, meu pau entrou sem dificuldades pela bucetinha, puxei os bicos dos seus seios, e a sua buceta fechou, apertou meu pau la dentro. Todos os músculos da buceta dela se contraiam, meu pau preso la dentro, a melhor sensação do mundo.



Continuei penetrando, sua buceta continuava se alargando, meu pau deslizando, então eu puxava o bico de seus seios, ela xingava centenas de palavrões e agradecia o como tava boa aquela foda. O vibrador ia saindo do cu e eu o socava la de novo. Ela prendeu meu corpo contra o seu, me segurando com as pernas em minhas costas. Eu metia nela com fúria, com fervor e com vontade de machucar. Mas ela sentia prazer, a sua buceta estava flácida, ela reclamava que ja estava tudo dormente, mas continuava, gozando, ejaculando, e os olhos revirando.



Quando achava sua buceta larga demais, puxava a corrente violentamente. Ela dava saltos de dor, saltos de prazer. Adorava aquilo. Grudou em mim, com os braços pra trás presos na cabeceira da cama. Começou a beijar meu pescoço. Beijei o dela, e comecei a morder, feito um vampiro. Ela começou a contrair a buceta, abruptamente, abria e fechada sua xota deliciosa, e gozou de novo em cima do meu pau.


Meu pau por sua vez também não aguentaria muito, comecei a bombar naquela loira gostosa com mais força, com mais violencia, e ela adorando, gozando, contraindo aquela buceta. Ela já não aguentava, fechou os olhos e finalmente pediu para eu parar. Puxei as presilhas, seus seios levantaram e ela gozou mais uma vez. Sua buceta estava doendo dizia ela. "Já não aguento mais, para". E eu continuei metendo, metendo sem parar. O vibrador foi saindo do cuzinho dela, e eu o coloquei de volta. A goza já estava quase vindo, surgindo, ela delirando. Seus gemidos começaram a ficar reprimidos, e então gritou:
"GOZA NA MINHA BOCA".

Tirei meu pau, o cu dela empurrou longe o vibrador, que ficou gritando fazendo um enorme barulho estrondoso largado na cama. Corri para cima dela e enfiei sem maior pudor o meu pau para dentro daquela boquinha precisando de pica. Ela começou a chupar o meu pau com velocidade, com fome de porra! Indo com a cabeça pra frente e pra trás, passando a língua por todo lado, girando a ponta da língua na glande do meu pau, acabei jorrando a minha ultima reserva de porra para dentro da goela dela.

Ela tomou tudo como se fosse água, para alguém que esta com sede. E começou a gemer. "AAAAAAAAAAH, CARALHO, PORRA, FILHO DA PUTA, ERA ISSO QUE EU QUERIA INFERNO, FILHO DA PUTA, CACETUDO, SACUDO. ME DA O SEU SACO AQUI".

Levantei meu pau, dei meu saco pra ela chupar. E ficou ali, chupando minhas duas bolas. Sugando-os.

A noite fora fenomenal, tirando a dor que senti dos arranhões e do elástico no meu pau. Na verdade, ocorre que Beatriz é uma masoquista, viciada em Bondage, no qual não estava acostumado, foram minhas primeiras praticas com a dor e com o sexo unidos em um só, o que me deixou com fúria, raiva. Mas depois de ter visto ela saciada, com os olhos fechados, abraçada em mim depois que soltei suas algemas, vi que ela só conseguia se excitar daquele jeito, e é o jeito de cada um. Deu um jeito carinhoso em sua testa. Ela estava apaixonada por mim.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Beatriz, vestido vermelho (Parte 2)


Olá caros leitores do meu cantinho quente, tudo otimo? 
Hoje vou contar para vocês a segunda parte do conto "BEATRIZ, VESTIDO VERMELHO". Para quem nao leu a primeira parte, segue o link. E para quem quer um resumão, aí vai: 
Conheci Beatriz numa feira de sexshops em São Paulo, louca alta, gostosa, quadril perfeito e seios fartos, flertou comigo e logo no primeiro encontro transamos. Mas ela tinha algo de incomum, só gemia alto quando eu a machucava. 
Espero que gostem: 


Fui para casa de Beatriz, depois daquela foda no motel, trocamos ligações quase todos os dias. Esquentando o ouvido um do outro. Nos encontramos três dias depois. Entrei em sua casa, ela morava apenas com uma amiga, mas que não estava em casa, propositalmente, claro.
Fomos trocando amassos desde que passei pela porta. Fui apertando sua bunda, beliscando-a, e ela rindo, me chamando de safado. Estava teso, com o pau duro debaixo da calça. Ela notou o volume, andamos pela sala indo para seu quarto, no andar de cima, ela segurando meu pau. Abriu o zíper, tirou ele para fora, e foi me puxando pelo pinto.

Adorei a brincadeira, Beatriz era fogosa, sabia como excitar, sabia como levar uma boa relação de amizade colorida. Devia ter varias...
Entramos no seu quarto, arrumadinho, bem iluminado, poster do Justin Timberlake e alguns ursinhos de pelúcia na cama. Ela jogou todos eles no chão, fiquei com o meu pau na mão, masturbando de leve enquanto ela arrumava o local. Abriu a gaveta do criado mudo e me mostrou um vibrador: "Este é o meu consolo", e riu dando gargalhadas. Ri também, ela disse para eu ficar a vontade. Me sentei na cama, tirei meu tênis e fui tirando minha calça. Ela buscou na ultima gaveta do criado mudo duas algemas.
Eu ri, e ela esboçou um sorriso maligno, de safada. Disse para eu deitar. Puxou minha cueca, meu pau ereto estava olhando para ela. Ela subiu em cima de mim, ainda com roupa, apanhou minha mão direita e me algemou na cabeceira da cama. Eu ri:

_É serio isso?.

Ela balançou a cabeça. Pegou minha outra mão e me prendeu no outro lado da cabeceira. Estava preso, inteiramente preso pela loira ninfomaníaca.

Ela então ficou em pé, começou a se despir para mim de modo sensual. Me fez um striptease sensual, meu pau pulsando, eu queria agarrar aquela bunda e beijar, queria morder aquela gostosa, aquela rabuda, aquela buceta deliciosa, e queria passar minha língua toda naqueles lábios vaginais quentes, me chamando.

O striptease dela foi completo, com direito até colocar a calcinha no meio da buceta, e no meio do rego, mostrando a bunda toda. Se despiu. Veio para cima de mim, colocou a buceta na minha cara. A buceta dela ainda fechada. Ela abriu com os dedos, eu soquei minha língua la dentro daquela buceta gostosa, cheirando a buceta bem lavada com sabonete caro, talvez com algum hidratante. Comecei a passar minha língua naqueles lábios deliciosos. Como sempre, Beatriz bem depilada, sem nenhum pelinho se quer. Sabia se cuidar, sabia ter uma xoxota bem macia, bem quente e molhada. Molhada do ponto de escorrer libido vaginal pelos lábios carnudos de sua buceta loira.

Chupava aquele grelo cheiroso com tudo que tinha, afinal, só tinha minha boca, minhas mãos estavam presas. Ela começou a rebolar na minha cara. Ficou de costas, esfregando o cu no meu nariz. Lambia de tudo que passava ali pela minha boca, beijei o cuzinho delicioso dela, ela vibrou. Quando parou mordi sua bunda, e o melado de sua buceta pingou em mim. Ela adorou.

_Gosta de mordidas ne, safado.

Meu pau ainda ereto. Ela agarrou, começou a me masturbar e foi direto para o sexo oral. Sua língua foi trespassando meu pau todo, chegou no meu saco e o sugou, deliciosamente, ficou sugando-o, parecendo que queria come-los, feito almondegas.
Passou a sugar a cabeça do meu pau. Sugando, sugando, passou a língua nele todo, em cada veia pulsante, em círculos perfeitos, segurou a cabeça do meu pau e apertou, abriu a uretra e tacou a língua ali dentro, querendo entrar dentro do meu pau. Gemi de prazer.

Eu estava adorando aquele 69, eu continuava chupando delicadamente a sua buceta, agora se alargando de prazer. Seus labios vaginais estavam bem escorregadios, apanhei com a minha boca a sua flor e os puxei, esboçando uma pequena mordida. A diaba se estremeceu de prazer, de loucura.


Ela gostou dos meus gemidos e das minhas pequenas mordidinhas. Saltou em cima do meu pau, encostou-o no meu corpo e começou a rebolar em cima de mim, esfregando meu pau na minha barriga e em sua xota molhada. Continuava rebolando e eu delirando de prazer, queria enfiar meu pau naquela buceta a todo custo e ela fazendo charme, me excitando. Estava quase gozando de tanta loucura.
Foi ai então que ela pegou o meu pau, como quem pega um brinquedo, o colocou de pé e começou a se sentar. Delirando, chacoalhando seu quadril, começou a ir pra trás e pra frente, sem camisinha nenhuma. Se aproximou de mim e começou a morder meus mamilos, mordendo-me forte e dolorido.

Cavalgando em mim, aproveitando cada milimetro do meu pau. Eu estava prestes a gozar, a sensação e estar transando e não poder apalpar nada, apertar, ou masturbar a xaninha dela foi muito estranha, uma experiencia totalmente nova para mim ser dominado daquele jeito. Gritei que iria gozar. Ela continuou cavalgando como se eu não tivesse dito nada, e acabei jorrando porra dentro da sua buceta. Mesmo sentindo o meu gozo, ela continuou cavalgando, sem parar, arranhando meu peito. Houve uma hora que começou a doer, mas ela não parava, sua buceta continuava vibrando, gozando, sempre bem molhada, sempre sentia suas contrações, ela parecia uma criança pulando em um playground.


Meu pau estava amolecendo. Ela disse "não", me olhou com a testa franzida, fiquei com medo. Apanhou do criado mudo (comecei a ficar com medo das coisas que ela estava apanhando naquele criado mudo), um elástico. O enrolou na base do meu pau, duas voltas, apertando-me. Gritei de dor quando o elástico enrolou em algum dos meus pelos. Dali ela também tirou uma correntinha com duas presilhas nas pontas, os famosos Prendedores de Mamilos. Colocou o meio da corrente na minha boca, e prendeu as presilhas nos bicos de seus seios. Apertando seu peito. Ela fez cara de que doeu. Com o controle dos bicos de seus seios, eu me senti no controle de novo. Meu pau estava forçado a ficar duro, a cabeça começou a ficar com uma cor diferente. E ela continuou cavalgando, meu pau sensível, já tinha gozado. Eu estava todo melado, não ia aguentar muito tempo, na verdade, já não era mais prazeroso, já estava se tornando tortura. Puxei a correntinha, sua buceta contraiu, esmagando meu pau todo. Apertando, chegando a doer. Parecendo uma mordida. Quando puxei a correntinha seus seios levantaram, e pude ver os bicos de seus seios passando do vermelho para um roxo bastante preocupante. Mas ela adorava, fez cara de quem iria gozar logo logo.


Ela se arrepiou toda, começou a suar frio. Sua buceta ainda quente, e ela continuou a cavalgar. Meu pau nao aguentava, sentia que ele iria quebrar se ela continuasse cavalgando freneticamente daquele jeito. Puxei de novo a corrente com a boca e ela gritou de dor: "FAZ, FAZ ISSO CARALHO, PUXA MAIS".

Continuei puxando com a boca. Com a lingua, agarrei a corrente e fui colocando ela toda na minha boca, puxando cada vez mais o bico de seus seios. Ela gritando de dor, adorando, sua buceta esmagando meu pau atordoado, cavalgando seu parar. Alguns pingos de suor da safada caíram no meu peito arranhado pelas unhas vermelhas dela, e ela veio vindo de encontro ao meu gosto, cada vez que eu colocava mais da corrente para dentro da minha boca.

Quando seus seios chegaram na minha cara, a distancia do meu nariz, eu agarrei seu seio direito, o mordi forte para deixar marca. Senti sua buceta se contraiu, suas unhas contra meu peito entraram na minha carne, e senti a ejaculação de sua buceta saindo. Ela deu um pulo, tirou meu pau de dentro da sua buceta e continuou ejaculando, deliciada.

"Aaah, não aguento, não aguento, não aguento, caralho, você é foda".

Pensei: "Ela é louca, ejaculou depois de uma mordida dolorida".

Ela se deitou em cima de mim, beijando e lambendo as feridas que abrira com a unha no meu peito. Pedi para ela me soltar, pensei ter dito com um tom de voz mais bravo, mas ela achou que eu estava era querendo mais: "Hmm, quer que eu solte? mais ja? Eu que vou ficar presa agora é?"

Pensei em responder milhares de coisas, entre elas um: "Você ta louca ne?", mas logo raciocinei: "Vai ser bem divertido ter ela presa aqui na cama".
Concordei com ela, ela me soltou das algemas. A primeira coisa que fiz foi tirar o elástico do meu pau. Aliviado, estava quase ficando roxo.

Ela se deitou onde eu estava, iria começar o segundo round.

--

Pessoal, espero que tenham gostado da segunda e penultima parte! Agora, a minha revanche em cima de Beatriz, algemada na cama!!! 

sexta-feira, 15 de março de 2013

Beatriz, vestido vermelho (Parte 1)

Boa tarde queridos leitores do CENAS MUITO QUENTES!
Hoje, vou começar uma serie de 3 partes do meu encontro com a deliciosa Beatriz, louca por BDSM, cobiçada por todos que olham pro seu traseiro nas ruas, espero que gostem:


***

A conheci em um evento de Produtos Eróticos em São Paulo, ela estava perdida, queria encontrar o banheiro, e a ajudei a se localizar no meio de tantos estantes de sex shops. Já foi logo segurando meu ombro e colocando a mão no meu braço, do tipo de garota bem descontraída, sorridente, alegre dizendo um largo: "Obrigada".
Mais tarde, quando já estava cansado de caminhar e ver gostosas com pintos de borracha nas mãos, acabei encontrando-a novamente.
_Eae, usou o banheiro naquela hora?, perguntei para a garota sorridente.
Toda alegre pôs novamente a mão no meu braço:
_Sim, muuuito obrigada, estava apertadíssima.


Sorri, não tinha o que falar, afinal, nem a conhecia. Antes que a falta de assunto fosse um incomodo, me apresentei, e ela se apresentou sorrindo e jogando os cabelos para o lado, Beatriz. Perguntei o que ela fazia ali, e ela disse que tinha marcado com umas amigas de comprar alguns produtos, mas elas não foram. Ri da situação:
_Suas amigas solteiras vieram comprar consolos?
Ela riu, sempre sorridente, parecia bêbada.
_Siim, todas nós somos solteiras, tá difícil encontrar um namorado que preste hoje em dia.
Brinquei:
_Oras, encontrou.

Beatriz parecia ser safada, loira, fogosa, seios enormes, bunda deliciosa em um quadril perfeito. Estava usando legue e uma camisa baby look, mostrando cada pedacinho de seu sutiã, e na sua bunda dava para ver que usava fio dental, provocante. Pulseiras nas mãos, vários anéis e salto alto, do tipo que sabe rebolar enquanto anda. Não queria perder aquela gostosa para qualquer idiota, peguei a mão dela, tirei uma caneta do bolso e marquei meu telefone na palma de sua mão. Ela riu, no minimo nunca tinham feito isso com ela.
Foi só nos despedirmos com um beijinho no rosto, onde pude sentir o cheiro de seu perfume, delicioso (212 - Sexy EDP) e ela me ligou.

Olhei para trás e ela estava olhando para mim com o telefone na orelha:
_Para ter certeza de que o numero estava certo. E desligou.
Sorri, sabia que ela estava afim, o que era um ótimo sinal.

No mesmo dia, de noite, ela me ligou:
_Sobre o assunto de não ter caras que preste hoje em dia, desculpa, eu não te conheci AINDA!.
Aquilo me pareceu um convite, ela estava se jogando para cima de mim. A convidei para uma noitada, um drink e uma dança num barzinho local, e ela aceitou sem pensar duas vezes. Perguntei onde era a sua casa e ela me disse rapidamente, como se estivesse esperando essa minha pergunta.
Passei em sua casa, e ela saiu toda produzida. Meia fina, cabelo preso por uma rosa vermelha, baton vermelho, unhas pintadas, um vestido vislumbrante vermelho, do tipo que quer mesmo chamar atenção. Ela quis mesmo acabar comigo, me fazer de cachorro, de escravo.
Não faltou elogios, ela entrou no carro e eu comecei:
_Esta linda!

E as palavras "Maravilhosa", "Cheiro delicioso", "Amo seus lábios , "Pintou os olhos? Estão hipnotizantes", eram os cliches da noiteEla ria a cada elogio, dizia que eram meus olhos, mas sabia que estava mesmo de matar qualquer um, um avião, uma loira deliciosa.

Fomos para o barzinho, depois de um champagne e ao som de musicas românticas, surgiu o primeiro assunto picante. Depois de termos perguntado sobre o que cada um fazia da vida, e de falar um pouco sobre relacionamentos anteriores, ela me perguntou se eu a achava gostosa:
_Esta brincando? estou excitado desde o momento em que você saiu de sua casa.
Ela sorriu, não se envergonhou, já esperava essa resposta. Ela se aproximou de mim, nos beijamos. Beijo quente, molhado, passou sua língua toda na minha, gosto de menta. Ela segurou a minha mão:
_Vamos para onde saindo daqui?.
Dizer que a levaria para casa seria idiota, obvio que a levaria para o motel. Nem precisei pedir autorização, ela também queria uma trepada para aquela noite.
Terminamos a garrafa e a levei em um motel caríssimo, tive que pagar no Credito.
Entramos, o quarto era enorme, a cama tamanho Rainha, iluminação perfeita, de luxo. Banheiro equipado com hidromassagem. "Calma, ainda vamos trepar la", pensei.
Trancamos a porta e começou os beijos, amassos, passei as mãos em seus seios, grudei a sua bunda, ela começou a adorar. Loira devassa com um largo sorriso no rosto.

A coloquei sentada na cama, ela tirou o salto alto, antes que eu pudesse tirar o meu cinto ela já estava abaixando o ziper do seu vestido e soltando o cabelo.

Arranquei a calça de qualquer jeito e joguei a camisa longe, subi na cama, atras dela, coloquei seu cabelo para um lado e beijei o outro, arrepiando-a. Ela se levantou, tirou o vestido todo. Estava de lingerie. Fogosa, com aquele rabo delicioso, corpo violão. Se fosse uma puta, com toda certeza eu ficaria falido de tanto contrata-la.

Ela ainda em pé, me levantei e a agarrei, meu pau duro encostando em sua xota durante o nosso abraço. Ela saiu do abraço, colocou os joelhos na cama e empinou a bunda para mim. Me olhou com ar de safada, que queria levar ferro.

Me aproximei dela, continuei beijando sua nuca, passei meus dedos pela sua xota, por cima de sua lingerie, e ela começou a gemer, estava molhada. Coloquei a lingerie para o lado, senti a sua buceta carnuda, sem pêlos, comecei a massagea-lo, com três dedos para um lado e para o outro. Senti ela excitada, sua xota molhada, seus gemidos aumentando de ritmo. Grudei sua bunda, abaixei minha cueca e busquei a camisinha que ja estava estrategicamente comigo. Coloquei a camisinha alisando meu pau todo e ja fui esfregando naquela xana carnuda e molhada. Soquei meu pau ali dentro, sem dificuldade nenhuma.

Sem demora, deslizou para dentro. Ela tirou os joelhos da cama, me encostei na parede do quarto e começamos a foder ali mesmo, em pé ao lado da cama.

Ela ia aumentando o ritmo dos gemidos, e os gritinhos começaram a ficar mais altos.

Minhas pernas já estavam doendo de trepar em pé, apesar de estar gostoso aquele vai e vem, batendo minha bunda na parede e indo com tudo pra xota dela, estocando minha lança naquela gruta deslizante e quente. Dei três passos, ela me acompanhou e deitamos na cama. Ela se virou para mim e abriu as pernas. Começou a beijar meu pescoço, e eu não parava de meter, enfiando minha tora naquela gostosa, abrindo bem suas pernas, hora masturbando sua xota por cima do meu pau, hora apertando e abrindo sua bunda pra ela sentir meu saco batendo.

De beijos no pescoço ela passou a chupar, deixou uma marca enorme no meu pescoço. "Safada", sussurrei. Comecei a beijar seu pescoço e também deixei um chupão. Nesse instante ela segurou a minha bunda, eu metendo nela sem parar e ela esticando seu braço para trás começou a unhar a parte de baixo da minha nádega esquerda. Maniaca.

Agarrei seu braço, e ela gemeu, olhou para mim maliciosamente: "Aperta". Apertei seu braço e ela adorou. Como uma louca na cama, ela saltou e ficou de costas para mim de novo, com a bunda empinada para mim, de quatro. Me deu algumas traseiradas, eu dei algumas metidas. Insatisfeita, se virou para mim mais uma vez, deslizando aquela xota carnuda e molhada no meu pau. Foi logo beijando meu peito, chegou no meu mamilo e deu uma mordida que me doeu na alma. Agarrei mais forte o braço dela, e ela deu uma contraída gostosa com a buceta.

Percebi que ela tinha prazer com dor, uma tremenda de uma safada. Penetrei ela com mais força, uma estocada que arrancou o suspiro dela. Apanhei seu peito balançando com a boca e começou a sugar, chupei-o ate deixar uma marca roxa enorme, ela adorou, segurou minha cabeça contra seu corpo, para que eu continuasse chupando-a, para doer. Mordi o bico de seus seios, duros, e ela contraiu de novo a xota. Meu pau latejando, sendo preso por aquela buceta deslizante, gozada e apertando-me a cada contraída gostosa.


Fui para o pescoço dela novamente, deixei outro chupão, ela deu gritinhos de prazer sentindo a dor prazerosa de um chupão. Começou a arranhar minhas costas, me deitei e ela começou a cavalgar violentamente em cima do meu pau, teso, ereto, pulsante. Deu tapas em sua bunda, ela começou a sorrir. Começou a arranhar o meu peito e eu comecei a dar tapas mais violentos em sua bunda.

A cada tapa que eu tava a sua buceta contraia, ela apertava o meu pau cada vez mais, a sensação era ótima!  Meu pau não parava de estalar dentro daquela buceta, senti a primeira gozada vindo, não liguei, mordi seus seios, chupei seu pescoço e apertei suas bundas para deixar marcas, ela sorrindo, adorando, gemendo alto em cima de mim, não parava com a cavalgada, e com a sua buceta apertando, beliscando meu pau.
Esse vai e vem, aquela cavalgada, os gemidos, me surtaram, acabei gozando, lambuzando toda a camisinha. Pedi um tempo para trocar a camisinha mais a louca não deixou, continuou cavalgando em cima de mim, sem parar, sorrindo, e dizendo "não, não vou parar". Continuou me beijando enquanto eu revirava os olhos, cansado. Meu pau soltando as ultimas gotas de porra, e ela ainda ali, beijando meu mamilo, querendo mais, pedindo por mais.

Desceu do meu pau, começou a socar uma punheta e meu pau foi amolecendo lentamente. Jogou a camisinha gozada longe, e continuou batendo uma punheta bem molhada para mim.


_Fogosa voce heim.

Ela riu, continuou masturbando meu pau com gosto. Ele começou a dar os primeiros sinais de vida quando subiu em cima de mim novamente, e começou a esfregar a xota no meu pau mole. Esfregando para frente e para trás, ela apertando o meu peito. Adorava uma brincadeira dolorida. Meu pau ficou ereto novamente, ficou de costas para mim e começou a cavalgar. Eu segurei nos seus ombros e comecei a dar bombadas fortes, batendo meu corpo todo naquela bunda deliciosa que vibrava com o meu ritmo.

Neste momento houve vários tons de gemidos, ela gemia de leve, passou a dar gritinhos de prazer alucinados. Passou a masturbar seu clitóris com uma velocidade extraordinária e a gritar de prazer, com gemidos alucinantes. Então ela acabou gozando. Melou todo meu pau, acabando comigo, me fez gozar de novo.

Deitada em cima de mim, transpirando, trocando suores, ela me convidou para ir até sua casa outro dia, para mostrar o que era fazer sexo de verdade.

***

Este foi o primeiro encontro com Beatriz, a louraça belzebu e provocante mais louca que conheci, mas o BDSM ainda esta por vir, aguardem. Se gostaram do conto, DEIXE SEU COMENTÁRIO.


quarta-feira, 13 de março de 2013

Postagens Programadas

Olá queridos leitores.

Andei um pouco sumido do blog mas, infelizmente, é porque estarei ainda mais ausente nas próximas semanas. Estive adiantando alguns compromissos aqui em São Paulo para enfim poder ir passar um tempo no Rio Grande do Sul. Estou esperando o taxi para ir pro Aeroporto dentro de algumas horas, e então, para não deixar os leitores na mão, programei algumas postagens para vocês.

Vou contar-lhes a historia da Beatriz, uma loura louca, minhas primeiras experiencias com uma foda masoquista. Beatriz, para quem não me conhece, foi uma loira que conheci que, só conseguia se excitar quando eu a machucava, fosse com tapa, fosse com uma mordida ou com um apertão.


Enfim,
Vou deixar a primeira parte Programada para dia 15/03: BEATRIZ PARTE 1.

Para o dia 22/03 vou deixar o BEATRIZ PARTE 2.

E para o dia 29/03 o BEATRIZ PARTE 3. Para finalizar a o conto sobre ela.

Bom, para agora, quero que se contentem apenas com um vídeo que achei fabuloso, e é o ultimo que estou vendo hoje antes de partir pro Sul, espero que gostem:




Particularmente, é o que todo homem quer e sonha em ter: Violões na parede, musicas tocando ao fundo e duas gostosas doidas pra cavalgar!!! 


Pessoal, e tenho mais uma novidade:
Estive conversando com um casal de Porto Alegre, que me contataram pelo email do blog, dizeram que sao leitores do blog e que ja estao me seguindo a muito tempo e eles me convidaram para um encontro. É óbvio que quando voltar de viagem, vou contar os minimos detalhes de como foi esse encontro com o casal.
Perguntei para eles se poderia colocar o email deles aqui, mas ainda nao me permitiram, logo, provavelmente, terei que usar nomes ficticios para eles tambem. Mas isso nao é problema.

Beijos e Abraços Leitores.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Marylin, puta pra toda hora!

Oi leitores do Cenas Muito Quentes! 
Tudo bom com vocês? 

Hoje trago mais uma aventura que tive, recentemente com a minha amiga Marylin, sempre falo sobre ela aqui no blog, mas dessa vez, é uma aventura recente, coisa de um mes atras:

---

Fiquei de cama por alguns dias, estava com o pé machucado por ter tentado andar de skate, e como todo mundo que me conhece, sabe, não fui feito para esse tipo de esporte.
Nesse tempo que fiquei de bobeira, convidei a Fernandinha para ficar em casa todo o tempo, mas, infelizmente, bem no dia que a convidei, ela estava menstruada.
Fernandinha é o tipo de garota que fica terrivelmente puta quando esta menstruada e prefere ficar isolada. Portanto, resolvi ligar para Marylin, a minha putinha para qualquer hora:

_Mary? Tudo bom? É o Edgar.
_Ooi lindo, diga, precisa de algo?
_Preciso de você. Estou machucado, preciso de cuidados.
_Machucado onde? No coração? Eu sou médica só de pintos, você sabe disso.

E começou a rir loucamente.

Também ri com ela, e a convide para ir para casa. Naquele dia eu estava mesmo, terrivelmente carente, precisa da companhia de alguém, ou melhor dizendo, precisava da buceta de alguma fogosa pra me fazer bem.

Fiquei a tarde toda não fazendo nada, hora meu chefe me ligou perguntando como eu estava, outra hora o pessoal que estava me ensinando a andar de skate me ligaram, perguntaram se eu queria sair. Mas felizmente, quando marcou 20:00 no relógio, a Marylin interfonou:
_SOBE.

Gritei. Ela tocou a campainha e eu ja estava na porta, com o vinho nas mãos.

_Vamos lá Edgar, onde foi que se machucou? Bateu muita punheta?
Ri junto com ela, mas expliquei que cai de skate, ia ficar de molho por alguns dias, e perguntei sobre a vida dela:
_Eu continuo na mesma, aumentei meu preço sabia? - Ela sempre falou da profissão com muito orgulho - Tem uma putinha do apartamento do lado que também tem um site, e ela aumentou o preço, ta cobrando R$180 a hora, eu comecei a cobrar R$ 220 agora. 
_E por incrivel que pareça você sempre tem cliente ne? 
_Claro, como voce.

Rimos alto. Terminamos a garrafa de vinho, durante todo o papo e com o macarrao que eu encomendei do China in Box, falamos mais da vida e do cotidiano do que sobre o que nós fariamos a seguir:
_Mas falando serio agora Edgar, muito obrigada pelo jantar, pelo vinho, mas, voce vai querer uma trepada? 
_Estava querendo sim, a sua buceta. Mas R$ 220 reais esta caro heim amor. 

Ela ja foi logo se aproximando de mim, me lançando para o sofá da sala e segurando o meu pau teso por debaixo da cueca.
_E quem disse que voce precisa pechinchar porra? Eu adoro o seu cacete, e faço de graça!


Enlouqueci com as palavras dela. Segurei sua bunda e a levantei, fiquei em pé.
Senti as dores do meu braço machucado, mas toquei o foda-se, a levei para o quarto mesmo assim!

A joguei na cama, fiz cara feia por causa da dor, mas ela foi logo me agradando, se ajoelhou na cama e veio me beijando o peito. Tirou a minha camisa e eu ja fui puxando a minha calça e a cueca junto para baixo.

Ela tirou a sua camisa e tirou o seu sutião logo em seguida.

Meu pau estava duro e apontando para ela.

Ela agarrou meu pau teso e foi descendo o rosto até ele, o agarrou com a boca e começou a chupar, chupar bem devagar o meu pau inteiro. Passando a língua em toda a extensão dele, as vezes passando os dentes na cabeça do meu pau, só pra me arrepiar. Muito safada. Segurei a sua cabeça e comecei a enfiar dentro da sua boca o meu pau. Ela foi abocanhando meu pau todo, fazendo uma garganta profunda que só uma tremenda de uma puta sabe fazer e tirou o meu pau da boca, sem lagrimejar.


Continuou me chupando, eu ia deixando ela me chupar, nao fazia nada, só fiquei ali na cama, de joelhos, vendo ate onde ela chuparia. A goza dela é tao boa que sempre acabo gozando. Dessa vez nao foi diferente, gozei dentro de sua boca. Ela adorou. Engoliu tudinho.

Eu comecei a gemer de prazer, e ela nao tirou a boca do meu pau, continuou me chupando, enfiou ele todo na boca e começou a passar a lingua no meu saco. Uma sensação deliciosa. Parecia estar no paraiso.

Tirei a cabeça dela do meu pau. Peguei uma camisinha no criado mudo e dei para ela colocar para mim. Colocou com jeitinho, e com a boca.

Deitado, com o pau duro em direção a ela, ela subiu em mim, encaixando aquela buceta larga dela no meu pau. De um jeito gostoso, começou a rebolar. Apertei a sua bunda, e ela delirava. Esfregava seus seios na minha cara, e eu ia chupando-os, devagar. Enquanto ela ia cavalgando no meu pau todo.

Ia para frente e para tras, sem mover o meu pau, apenas balançando-o para frente e pra tras, dentro de sua buceta quente e molhada. Ela fazia questão de contrair a buceta para apertar meu pau. Imagino o como deve ser dificil fazer isso com uma buceta larga que fode todos os dias.

Logo em seguida, começou a cavalgar, subir e descer do meu pau, com vontade, com fervor. Adorando, gemendo. Comecei a gemer alto também, ela se excitava com gemidos de homens enlouquecidos por ela também. O bom de conhecer a pessoa com quem trepa, é que aprendemos a excita-las támbem. Apertando a sua bunda, ela continuava sorrindo, gemendo, fechando os olhos. Aproximou o rosto no meu e começou a lamber a minha orelha. Sentia o cheiro do seu shampoo, cheiro delicioso.
Beijei o seu ombro, o seu pescoço, e ela começou a cavalgar com mais velocidade em cima do meu pau, a todo vapor, feito louca!


Anunciei que estava para gozar, e ela parou de cavalgar.

 Desceu de cima do meu pau e começou a se masturbar. Eu não ia deixar ela fazer aquilo tudo sozinha. Segurei a porra no meu saco, apertei o meu pau com toda força e a vontade de gozar passou. Enquanto ela se masturbava, eu a virei, deixei de bunda empinada para mim. E então comecei a penetrar de novo naquela xota molhada, vermelha, quente e gozada!

Comecei a bombar na bunda dela, metendo freneticamente naquela bucetona gostosa. Ela começou a gemer mais alto, gostava de ser dominada, na verdade, ela adora ser fodida de quatro. Eu amo comer ela de quatro, a minha posição preferida com Marylin. Sempre agarro seus seios enquanto meto nela por trás  ela adora essa posição, gosta de ter os seios em boas mãos.
Bombei mais, metidas fortes e longas.

Meu pau ja estava esfolando, ela se contraindo cada vez mais. Comecei a gemer em seu ouvido, e falar mais bobagens em seu ouvido, pra fazer ela descaderar de vez:


_Marylin, gostosa, putinha pra qualquer hora heim.
_Sim, gosto do seu caralho na minha buceta.
_Gosto de meter fundo, voce gosta?
_Eu adoro voce metendo fundo caralho, mete mais porra!
_TO METENDO MORENA, TO METENDO!
Ela começou a gemer mais, e mais rapido, mais agudo, contraiu de novo a buceta, e continuou gemendo. Gosto vermelho de prazer, excitação e loucura. O quarto todo cheirando a sexo.

_Goza na minha cara porra!

Nao precisou pedir duas vezes. Tirei meu pau da sua bucetona larga e ela ja foi de encontro para o meu pau, ficou esperando a porra saiu da cabeça do meu pau.

Comecei a bater uma punheta na sua cara, e então gozei em seu rosto. 



Ela sempre gostou disso.

Riu também, feito uma putinha rindo do cliente, adorando tudo que o mesmo faz.

_Vou pro banho ta? Ainda tenho um cliente as 23:00. 
Olhei para o relógio e ja era 22:30.

Ela saiu do banho, demorou um bocado pra retocar a maquiagem, eu a levei até o seu cliente, na Barão de Limeira. Nos beijamos como um casal de namorado, ela desceu com a bunda arrebitada:
_Valeu pela foda gostoso. 


---

Se ficou de pau duro, ou de bucetinha molhada! Ou apenas com um desejo louco de pegar uma bunda pela bunda e jogar na cama, ou então de tomar uma ejaculada no meio da cara, comente, deixe a sua opinião.



Abraços. 

terça-feira, 5 de março de 2013

Ensaios #8

Olá caros leitores, Boa noite!!!

Hoje, fico devendo um Conto erótico mas, não deixo de trazer a excitação para os marmanjos de plantão:
Trago para vocês  uma morena, com cara de safada, píercing na língua e no lábio. Seios fartos, tamanho ESPETACULAR, de dar água na boca!
Bucetinha raspadinha, do tipo que é bom roçar a barba!


É só apreciar caros leitores, aproveitem!


sábado, 2 de março de 2013

Imagem da Semana #10

Boa tarde pessoal!
Notei que as visualizações explodiram de crescer, fiquei feliz, absurdamente feliz. Mas, apesar de não ter muito tempo de postar aqui todos os dias, eu estou tentando manter o blog atualizado o máximo possível.

Enfim, daqui alguns dias, o MSN sera totalmente revertido em SKYPE, e assim que eu fizer a migração, atualizarei a pagina de CONTATOS. As postagens com temas (EM BREVE), como deixei bem especificado na pagina CONHECENDO MAIS O BLOG, já estão escritas, e vou começar a liberar de pouco em pouco, começando por BDSM.
Ah, também andei um pouco ausente do Twitter (@CQUENTES), mas, logo mais estarei atualizando-o com mais algumas bobagens do dia a dia.

Para começar a tarde de bem com a vida, la vai a IMAGEM DA SEMANA!