Melhor Sex Shop virtual!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Brincando de Pet Play

Olá caros leitores do Cenas Muito Quentes, hoje vou contar para vocês, aproveitando que ja introduzi a tímida Yuki aqui no blog, uma vez em que, sem querer, acabei experimentando um pouco da brincadeira de Pet Play com a japinha. Espero que gostem.

Parte 1, leia aqui.

Neste final de semana íamos viajar juntos. Eu a pegaria em sua casa, em Santos e iriamos voar para a Argentina, fazer algumas compras, aproveitar o clima frio de inverno de lá, enfim, só viajar mesmo. A essa altura, devíamos estar namorando cerca de alguns meses já, e sempre que podíamos dormir juntos, nós dormíamos  mas, o sexo com ela não era nada vulgar. Como citei anteriormente, o sexo com ela não tinha Oral. Sempre que eu queria chupa-la, ela me perguntava se eu estava louco, e, certa vez no banheiro, meu pau estava duro enquanto ela escovava os dentes. Cheguei por trás dela e comecei a beijar seu pescoço, o seu ombro, então, cheguei bem ao pé do ouvido dela e perguntei o que ela tinha contra sexo Oral.
Pronto, virou a cara comigo. Então não pedi mais.

Mas já estava me acostumando, afinal de contas, essa japa era uma "semi virgem", sua buceta era tão apertadinha que era a mesma coisa de foder uma virgem. Para mim que sou tão acostumado a comer as vadias rampeiras que querem fama e testes do sofá, e amigo de tantas prostitutas, quando se tem uma japa deliciosa como essa, tem que aproveitar.

A peguei em sua casa, ela de malas prontas e pais acenando e desejando boa viagem. E partimos para o aeroporto. O voo saiu no horário, e chegamos na Argentina antes do previsto. Do aeroporto internacional, partimos para o hotel. Ela estava bastante calada a viagem toda, pensei que talvez fosse o medo de voar, ou talvez apenas o nervosismo. Tentei anima-la de todos os jeitos, a carreguei nas costas no caminho para o hotel, comprei uma rosa do outro lado da rua do café que tomamos,  e tudo que ela fazia era dizer 'Obrigada' e sorrir.
De noite, fomos num restaurante chique, indicado por um guia turistico que ficamos de encontrar no outro dia para conhecermos alguns fatos historicos bacanas de Buenos Aires, e do restaurante, direto para o hotel. Estava exalto, contei para ela o como estava cansado, e ela concordou que eu precisava mesmo era relaxar.

Deitados um ao lado do outro, percebi seu rosto corar, ela estava calada a ponto de me deixar inquieto.
"Que foi Yuki, esta tao calada porque?"
Ela estava vermelha de vergonha, e então, fechou os olhos e começou a me contar o que estava havendo:
"Ed, voce é tao fofo comigo, você é tao tudo pra mim, que eu nao quero ser a mesma menina fria contigo."
E ficou calada.

Continuei olhando para ela, e ela se sentiu envergonhada, escondeu o rosto no meu peito, e antes que eu pudesse dizer que ela não era fria comigo, ela continuou: "Eu sei que você quer evoluir a nossa relação sexual", percebi que ela estava chorando, e seu coração batendo forte. "Eu sei que eu nao sou tudo que você sempre quis na cama, eu sou fria demais ne?".

Fiquei com dó da japa, abracei-a e disse que eu adorava ela do jeito que ela era. Mas, após enxugar os olhos de lagrimas, ela se virou para mim e concluiu: "Não finja, eu vou mudar. E essa viagem é só o começo de tudo."

Ela se levantou, apanhou algo em sua mala e correu para o banheiro. Eu fiquei ali deitado, o sono havia ido embora depois dessa peça que aconteceu ali conosco. Fiquei curioso para saber o que estava acontecendo no banheiro. De repente, a porta se abriu. Esperei ver a minha japa vestida de algo sensual, ou inimaginável  mas, o inimaginável acabou ficando fora do normal.

A minha japa estava com orelhas de gato e totalmente nua, engatinhando. Ela abriu a porta do banheiro e veio andando de quatro até a cama. Havia feito de lápis de olho três marcas em seu rosto, representando bigodinhos de gato. Quando chegou próximo a cama, eu perguntei se ela estava bem, e tudo que ela me respondeu foi: "MIAU".

Aquilo começou a me assustar, mas, ela estava nua. Foi subindo na cama lentamente, feito uma gata mesmo, até nos mínimos detalhes. Lambeu a costa da mão e passou na testa, tirando uma franja incomoda que ficava em frente os olhos. A franja chegou a cair novamente, e mais uma vez ela tirou a franja da frente dos olhos com a costa da mão, feito um gato.
Percebi que ela não estava totalmente nua, estava com uma calcinha fio dental (o que me assustou ainda mais, ja que ela nunca usava) com um rabo costurado nele.

Ela estava totalmente sedutora de gatinha. Perguntei para ela como era iria querer fazer, e ela me respondeu com outro miado. Perguntei para ela se ela realmente queria fazer aquilo ali, e a resposta foi mais um miado.
Ela estava mesmo com uma gata incorporada em si.

Nunca pensei em foder um gato, mas, vendo aqueles seios dela ali na minha frente, e aquele rostinho inocente brincando de gato, eu comecei a ficar amargamente excitado. Ela ainda miando foi se aproximando de mim, e me deitando. Fiquei deitado e a unica coisa em pé era o meu pau, já fazendo volume na calça. Ela bem de leve, imitando um gatinho, foi descendo até o meu pau, com as mãozinhas delicadas foi abaixando a  minha calça, revelando meu enorme membro, já teso.

Ela miou. Vi seu rosto corado. Ela fechou os olhos, pensei em dizer para ela que não precisava fazer aquilo se não quisesse, mas, resolvi ficar de boca fechada, afinal, ela decidiu mudar o comportamento sexual por ela mesmo, eu nunca tinha a obrigado fazer nada. De olhos fechados, agarrou o meu pau com as duas mãos fechadas, e começou a abocanhar o meu cacete. Colocou a boca timidamente nele, ficou só na cabecinha, com a língua em cima de minha glande. De fato, ela mal sabia o que estava fazendo, mas aos poucos, a sua língua fora mudando de lugar, passando para trás da glande, e para frente, fazendo movimentos circulares. Com seus lábios ela continuou abocanhando-me, e aos poucos a saliva de sua boca começou a escorrer pelo meu pau teso inteiro, e ela começou a fazer os movimentos de cima para baixo. Me chupando deliciosamente.

Tirou meu pau de sua boca, e achei que ela já iria se debruçar em cima de mim, mas não  ela continuou com o boquete delicioso. Começou a passar a língua atras do meu pinto, começando das bolas até a cabeça. Depois foi lambendo da cabeça até o meu saco. Delicadamente, sem usar as mãos. Voltou a por a boca no meu pau, mas só na cabecinha, ali começou a chupar ele como se fosse uma bala. A sucção que ela estava fazendo estava deliciosa.


Então, agarrou o meu pau com a mão direita, e começou a socar uma punheta em mim, mas sem tirar a boca da cabeça do meu pau. Aquela sensação de ser masturbado e ainda ter a cabecinha do pau sugada era uma delicia. Estava delirando com aquela sensação. Me flagrei segurando forte o lençol da cama, era um boquete inesquecível  vindo de uma menina que nunca tinha boquetado ninguém  Olhei para ela, e ela já não estava mais de olhos fechados. Estava de olhos abertos, olhando penetrantemente em mim, nos meus olhos. Parecia outra pessoa ali me chupando.

Passei a mão por cima da cabeça dela, fazendo cafuné em seus cabelos negros e lisos. Ela tirou o pau da boca e o colocou meu pau no seu rosto, adorando-o e sorrindo. E miou novamente.
Continuei fazendo carinhos, e ela começou a esfregar o seu rosto no meu pau, parecendo um gato esfregando o corpo todo na perna de alguém quando quer carinho. Ela começou a miar mais de leve. Meu pau todo molhado de saliva e de libido estava lambuzando toda a sua carinha.

Me sentei na cama e beijei a sua boca com todo amor que pude dar. Ela não esperava pelo beijo, ficou vermelha e de olhos arregalados. Quando terminei o beijo ela deu um miado em forma de pergunta: "Miau?", e eu agarrei seus seios, comecei a massagea-los. Ela se sentou na cama e abriu as pernas. Enquanto eu massageava seus seios, ela com mão direita começou a socar meu pau, e com a mão esquerda começou a masturbar sua bucetinha, por cima da calcinha fio dental.
Ela não estava gemendo como de costume, estava miando. A cada suspiro de prazer, era um miado. Aqueles miados que enchiam o quarto começou a me deixar ainda mais excitado. Me aproximei dela e comecei a puxar a sua calcinha fio dental, liberei sua bucetinha, e ela, que ainda segurava o meu pau, foi guiando-o para seus lábios vaginais apertados.
Ela começou a esfregar meu pau na sua xaninha, antes de começar a coloca-lo para dentro, ela colocou só a cabeça do meu pau dentro de sua buceta (o que lhe arrancou um miado bem prolongado), e continuou me masturbando. Meu pau pulsando de prazer, a cabecinha do meu pau coberta pelo quente e pelo molhado de sua xana, e eu sendo pressionado a soltar meu leite todo dentro daquela buceta.

Parei sua mão, ainda não era hora de gozar.

Deitei ela, levantei suas pernas e tirei sua calcinha. Abri bem as suas pernas, e apoiei seus pés nos meus ombros, deixando o caminho de sua buceta todo livre para mim. Ela me olhando e com rosto corado. "miau". "miau".

Comecei a penetração, enfiando a cabecinha do meu pau dentro daquela xaninha de gatinha molhada ("miaaau"), continuei a penetração, a cabeça do meu pau passou, e eu continuei enfiando ele. ("miaaaaaaaaaau"). Ela fechou os olhos de prazer. Estava se libertando na cama, começou a rebolar os quadris. Botei as duas mãos sem seus seios, ela agarrou os lençol da cama como se fosse um gato tentando nao cair do seu colo. "MIAAAAAAAAAAAAAU", começou a miar mais alto.

Eu fui tirando meu pau, mas bem devagar, para ela sentir tooda a textura dele, cada veia do meu pau, eu queria que ela sentisse entrando e saindo de sua buceta. Comecei a encaixar lentamente de novo, e seus miados ainda mais altos, sua bucetinha começou a contrair, e o gozo dela a molhar ainda mais a xota, facilitando a minha entrada e saída, que, de tao fácil que ficou, fui ganhando espaço e velocidade.

Enfiando e tirando, enfiando e tirando, e ela nao parava de miar. Parecendo mesmo uma gata no cio, ela estava segurando tao forte a cama que eu percebi que aquela fantasia sexual dela era a sua fantasia secreta. Ela sempre quis ser dominada daquele jeito, sempre quis ser uma gatinha no cio dando para o dono. Um pensamento doido, mas que me excitava quando eu concluia este pensmento. Meu pau continuou teso, e concluir esse fato de que o fetiche dela era esses miados no lugar de simples gemidos, fez com que eu recuperasse totalmente meu folego. Minhas bombadas aumentaram, a cabeça do meu pau engrossou, o sangue do meu corpo estava indo todo para o pau, que começava a engrossar naturalmente, inchando. Assim como a bucetinha dela também estava inchando, ficando avermelhada.
Mais algumas bombadas e senti sua buceta se contrair. Ela tentou fechar as pernas, mas beijei seu pézinho no meu ombro, continuei penetrando, metendo num vai e vem delicioso e deslizante. E senti mais uma vez sua buceta se contrair e seus olhos revirar.

Desta vez ela forçou ainda mais as suas pernas, e começou a tremedeira. Senti que seria a ultima contração dela antes dela tirar o meu pau de dentro a força. Bombei ainda com mais velocidade, e com mais vontade, requebrando meu quadril como um ator porno. O  miado dela chegou a um grito de prazer. A buceta dela se contraiu tanto, parecendo nossa primeira foda, a contração chegou a mastigar o meu pau, a ponto de doer a minha glande. O aperto me fez gozar dentro de sua xaninha molhada. Que expeliu todo o gozo de tão lubrificada que estava.

Ela endoidecida se virou na cama e pôs as mãos na xota, interpretando uma gata, indefesa, querendo proteger o sexo. Puxei ela pelos braços, e a abracei. Ela continuou miando, alguns miados que queria dizer nada mais e nada menos que: "Obrigado, essa foi a melhor foda de toda a minha vida".
Pude sentir que seus miados queriam dizer isso. Beijei sua testa e ela falou: "Te Amo".


***

Bom, isso é tudo que tenho a oferecer hoje pessoal, se gostaram, se ficaram excitados, se ficaram afim de uma boa chupada ou de uma trepada sensacional como esta, COMENTE! Obrigado. 


10 comentários:

  1. Muito Gostoso, adorei o conto e você estava sumido, Delicia!!!! Pode ter certeza que estou levando essa delicia lá pra casa e na próxima terça vou dividir com meus amores no RDUC tb.

    Bjo doce,


    Carol

    ResponderExcluir
  2. OLAA CAROL!!! É um prazer enoorme te-la aqui no CENAS MUITO QUENTES novamente. sim, andei um pouco sumido.. mas to voltando aos poucos. olha, fiquei com medo que o conto nao agradace, fico feliz que tenha gostado e que planeja levado para o blog mais quente de toda a putosfera!!! amo!!!! conto com vcs, e terça que vem estarei la esperando :* beijaaço

    ResponderExcluir
  3. Nossa que saudades que eu estava dos seus contos querido *-*. Esse conto é de dar água na boca, uma vontade de um boquete agora, noooossa. Não suma mais hein! Beijinhos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UAU, MANUELLA! Saudades estava eu de ti aqui no blog! Poxa, que bom que ficou com agua na boca, assim eu sei que consegui meu objetivo, deixar as leitoras bem excitadinhas!!!

      Oras oras, nao passe a vontade de fazer um boquete não, ligue pro teu namorado(ou para mim), e realize este desejo!!!

      Beijaaaços! ;*

      Excluir
  4. Opa! Vou ligar sim querido, mas vê se me atende hein kkkk Beijos ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que vou atender linda! Se eu nao atender, voce tem total libertade pra me castigar! :P

      Excluir
  5. Leocádia disse:
    Edgar, seu danadinho! rs
    Estou naqueles dias e agora misturou sangue com lubrificação vaginal, pior que nem posso me masturbar! Seu fodedor nefasto!! kkkkkqqqqqqqqq
    Sabe,morro de preguiça de ler contos poraí, pero os seus leio linha por linha; timtim por tintin!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sangue com lubrificação vaginal? oras oras mocinha Leocádia, vá para um bom banho quente, e se masturbe lá, sempre funciona. Se estava com sangue saindo, devia ter ido correndo para o banho, nao é nada..
      Mas olha, adoro os seus elogios, sinceramente, voce é sempre tao fogosa e adora fazer comentarios que alegram qualquer blogueiro!!! Olha, muuito obirgado por ler meus contos, gosto de saber que eles excitam os leitores. Obrigado.

      Excluir
  6. Excelente conto!!..muito excitante..dinâmico e sexy!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Dr. Bruno. Volte sempre.

      Excluir