Melhor Sex Shop virtual!

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

As travessuras e os encontros com a Prima Helena (Parte 1)

Quando eu contei aqui sobre a minha priminha helena, eu falei da minha primeira experiencia sexual com ela. Caso não se lembrem, segue o link.

Falei da vez em que ficamos deitados, e estávamos sozinhos na casa dela, debaixo do cobertor, e não pude resistir. Acabei explorando a bucetinha de 13 aninhos dela. É claro, antes que me chamem de pedófilo, eu tinha apenas 14 anos. Isso são apenas lembranças do meu passado.

Desde que chupei a bucetinha dela, eu fui evoluindo. Passou-se alguns anos, como vocês sabem, eu arrumei uma namorada na escola, a Angela, onde, em breve, contarei sobre minhas outras namoradas que conheci através dela. E também tive experiencias sexuais com a Sra Cursino. Mas, o que deixei de citar foi que, vira e mexe, eu e Helena no encontrávamos as escondidas.

Em todas as festas de aniversário, ou festas de casamento, ou até mesmo em velórios, é o momento em que eu sempre via Helena. Eu e ela sempre soubemos o que havíamos feito juntos naquele quarto, naquele dia, mas nunca contamos para ninguém. Por motivos óbvios, claro.

Acontece que, em vez de esquecermos e deixarmos para o lado, não, decidimos prolongar aquele fogo que tínhamos.

Me lembro que, a primeira vez que cheguei nela, num canto, estávamos numa festa do meu avô:
_Helena, precisamos conversar. 
Eu disse, subimos para o quarto do meu avô, onde ele havia trancado para que ninguem ficasse xeretando por lá. Eu sabia onde minha avó costumava guardar as chaves, então entrei, e me tranquei lá com Helena.
Eu estava com 15 anos, ela com 14. Seus seios já estavam crescendo, e o cheiro dela me excitava.

Eu estava de pau duro, me sentei na cama dos meus avós, e ela se sentou também:
_A gente não pode fazer isso aqui, né Edgar. A gente precisa de mais privacidade.


Me lembro perfeitamente do rostinho dela se corando.
Eu tirei minha calça e me aproximei dela, com o volume enorme na minha cueca. Ela alucinou. Tocou meu pau com curiosidade e timidez. Se levantou e abaixou o short que usava, se deitou de bruço na cama e disse:
_Pode apalpar, mas não vai fazer aquilo de novo...

Eu subi em cima dela, e comecei a esfregar o meu pau pela bunda dela, por cima da calcinha dela.  Eu me aproximava do pescoço dela e ficava gemendo. Sentia que ela estava gostando. Nossos corpos ali, juntos, esquentando. Estávamos ficando mesmo com calor. Meu pau duro, eu ficava cutucando ela com a cabeça do meu pau, e ela parecia gostar.

Não podia perder a oportunidade, comecei a me masturbar ali em cima dela, atras da bunda dela, e gozei. Minha goza foi longe, pegou as costas dela. 
Achei que ela fosse reclamar, mas não reclamou. Riu e disse que eu tinha ido longe demais... E não disse mais nada. Ajudei ela a se limpar, e ela vestiu o shorte por cima da calcinha gozada. Demos um beijo longo e molhado, e voltamos pra festa.

***
Em um outro momento, numa festa da minha tia que eu e meus primos começamos a brincar de esconde esconde, naquele momento que os adultos estão conversando em rodinha, e foda-se as crianças e os adolescentes. Alguns partem pro video game, alguns vão para rua afim de ir embora, mas eu e meus primos, meus colegas (Caue, sempre junto), fomos brincar, é claro, com o interesse de conhecer as amigas das minhas duas primas.

Com o pretexto de me esconder muito bem escondido, corri para o quarto da minha prima Helena. Ela, fingindo que não sabia que eu ia para lá, foi junto comigo. Assim que chegamos lá para nos esconder, trancamos a porta e eu já fui tirando a calça dela. Ela deixou, estava animada e sorrindo, esperando o que iamos fazer em tão pouco tempo.

Abaixei a minha calça e comecei a me masturbar. Ela só rindo, ficou de quatro para mim, empinando a bundinha para eu poder gozar.

Cheguei bem pertinho do ouvido dela e pedi:
_Posso gozar? 

E ela disse que sim, beijando minha boca.

Gozei gostoso em cima da calcinha preta dela.

Corremos para nos vestir, e destrancar a porta. Ficamos juntos atras do quarta roupa. Enquanto esperávamos que iam procurar por nós lá no quarto dela, eu fiquei segurando seus seios, apalpando.

E ela adorando. Ficamos trocando beijos quentes e gostosos, até ouvir o passo da primeira pessoa chegando no quarto.


---
Pra não ficar muito longo. Volto a contar mais sobre mim e sobre minha priminha num próximo post. 

Não esqueçam

domingo, 15 de dezembro de 2013

Noite Feliz (Delírios de Edgar #15)

Não, esta postagem não tem nada a ver com o natal, e sim, com a noite feliz em uma festinha que pode rolar de tudo:



Ótima semana queridos leitores e leitoras!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Histórias da Fernanda #2: Suruba dentro do carro

Eu estava no trabalho, há alguns dias, e a Fernanda resolveu aparecer por lá, para me fazer uma surpresinha (e um boquete surpresa). Ficamos na sala do fundo, onde eu tiro as fotos com as minhas modelos mais tranquilamente. É uma sala com um longo sofá (para supostos "testes do sofá"), uma mesa onde sempre deixo jarra de suco e todo o meu equipamento para fotografar.

A Fernandinha chegou e eu resolvi trancar a porta, afinal de contas, todo mundo da agencia sabe que eu gosto é de ter privacidade (principalmente com as minhas "amigas coloridas"). Ela sentou-se no sofá, jogou a mochila longe, e começou a reclamar da faculdade. Comecei a falar para ela das minhas viagens pra o Rio de Janeiro, e principalmente sobre a Leitora Safada, e o meu final de semana com ela. Foi quando a Fernandinha começou a me contar mais sobre o final de semana dela:

_ Então Edgar, enquanto o "senhor" estava comendo uma leitora, e fazendo um marido chifrudo, eu fui abusada por três amigos da faculdade.
_Amigos? - Eu perguntei.
_Bom, agora, amigos coloridos né, porque eles não podem contar o que fizeram comigo.

"Tudo começou assim. Eu estava triste na sexta a noite porque você tinha ido viajar para o Rio de Janeiro, e desde que tu fez aquela cirurgia, eu não tinha te visto. Eu tava olhando o teu blog sempre, mas nunca tinha atualização, nem nada, nem no twitter. Então, eu resolvi convidar o Michel, meu amigo da faculdade, para sair.
Falei para ele para gente ir em algum barzinho, tomar um chopp, peguei dinheiro com minha mãe e fui lá com ele. Ele me pegou ali perto do Ibirapuera, e fomos. Com ele, no carro, tinha um outro amigo dele, o Augusto. Esse Augusto é um cara legal, porém, só fala merda. Desde que entrei no carro, ele ficou me dando indiretas, querendo saber com quem eu saia, o que eu gosto de ouvir, e chegou até falar que me daria um belo par de sapatos se eu ficasse com ele naquela noite.
Eu ignorei ele, e fiquei na minha. Liguei o som do carro do Michel e fiquei cantando e tirando com a cara dele.

Ficamos num barzinho algumas horas. Chegamos as 21:00 e saímos de lá as 23:00. Só saímos de lá porque o Michel não estava mais aguentando ficar sem tomar um chopp, então tivemos que sair. Enquanto andávamos para o estacionamento, o Augusto, bebado, acabou vomitando numa árvore. Eu também, estava um pouco bêbada. Eu falei, tava triste, então tomei junto do Augusto, duas torres de chopp, e pedi três conhaques. O Michel encontrou um amigo dele no meio da rua, e falou que ia levar o moleque para a casa dele, nunca vi na vida, mas dizeram que ele era da Faculdade também.

Pedi para ir no banco de tras, porque estava acabada e com muito sono. Acabei cochilando assim que ouvi o ronco do motor do carro.

E não é que eu acordo com o Augusto do meu lado segurando meu peito? Quando eu abro os olhos, eu vejo o Michel e o amigo dele me olhando para o banco de tras. Olhei para os lados, ainda tonta por causa da bebida, e estávamos num lugar escuro e vazio. Comecei a me assustar.

_Eles foram para um lugar vazio? Te estupraram?

_Deixa eu continuar:
Eu comecei a gritar com eles né: "Que porra é essa? Para onde me trouxeram?", e o Michel só sorrindo: "Calma Fernadinha, calma, a gente já saiu junto, tu sabe como que é né".


Eu comecei a gritar com eles: "Vai se foder Michel, eu dei pra você, mas só pra você, eu não vo dar pros seus amigos, deixa eu ir embora, vai"


Tentei abrir a porta do carro e estava trancada. Me senti fraca demais para gritar. O Augusto foi apalpando meus seios novamente e se aproximou para me beijar. Ele foi chegando de um jeitinho tão manhoso, que acabei beijando ele.

Assim que o beijei, o amigo do Michel já foi indo para o banco de trás, se sentando do meu outro lado. Fiquei cercada pelo Augusto do meu lado esquerdo, o Menino do lado direito e o Michel na minha frente.
"Vocês não vão fazer isso comigo, né". E o Michel rindo falou: "Vai ser bem devagarinho Fernandinha".


O Michel começou a levantar a minha blusinha e deixou a cima dos meus seios. O Augusto abaixou o meu sutiã e começou a chupar os meus seios. Quando vi, o menino do meu lado direito já estava me beijando a boca, com uma língua muito doce. Michel ligou o rádio e estava tocando músicas eletrônicas, tirou do porta luvas um baseado e começou a acende-lo. O cheiro foi me embrulhando o estomago e a bebida foi ficando cada vez mais alta na minha cabeça.



Eu estava quase apagando quando senti o Michel tirando minha calça. Ainda sentado no banco da frente, vi minhas pernas para o ar e senti que estava sem a minha blusinha. As lambidas de Augusto nos meus seios estava me deixando excitada. Segurei o bico dos meus seios e senti eles duros. O menino do meu lado direito começou a colocar a mão por dentro da minha calcinha, e não parava de me beijar. Senti meu rosto corar, e minha pele arrepiar. Aquele cara que eu nem conheço, estava com a mão na minha xana, e eu sentia que estava muito molhada.

A bebida que eu tomei me deixou totalmente apagada, eu sentia que ia dormir, mesmo com três caras me apalpando. Michel, ainda no banco da frente,começou a alisar a minha perna, e a me deixar arrepiada. Eu ouvi que o Augusto do meu lado estava tirando a calça, eles riram e logo em seguida o Menino do meu lado estava fazendo o mesmo.

"Pronto, agora vamos embora né?" Pensei ter falado, mas não falei. Michel também tirou o seu pau para fora, a cabeçona enorme e roxa, e trouxe minha cabeça para perto do pau dele. Eu mal consegui me controlar, quando dei por mim, já estava com a cabeça do pau dele na minha goela.

Augusto me pegou pela cintura e me colocou no colo dele. Senti a vara dele se mexendo na minha bunda, e ele sussurrando: "Michel, comer essa menina não pega nada não né? Não vai rolar policia não né?" e o Michel respondeu: "Fode logo, amanhã ela não vai se lembrar de nada porra. O "pózinho" estava no conhaque dela".


Ao ouvir isso eu queria ter gritado, ou ao menos mordido o pau dele, mas não consegui. Minha buceta já estava recebendo o pau do Augusto, atolando o cacete grosso e enorme dele dentro da minha xana, muito molhada. Quando fiquei pensando no "pózinho" que o Michel colocou na minha bebida, eu fiquei muito puta, mas não conseguia parar. O menino do meu lado ainda mexia nos meus seios. Larguei o pau do Michel e vi minha calcinha na mão dele, mal percebi a hora em que tiraram. Só sentia as estocadas do pau do Augusto na minha buceta. Eu estava apagando, literalmente. Abri os olhos e já estava com outro pau na boca, o pau do menino do meu lado direito, que nem sabia o nome (e ainda não sei)




A esta altura eu já estava acordando. Minha buceta ardendo de calor e molhada, e os meus seios durinhos. Eu comecei a rebolar no pau do Augusto, e ele começou a gemer feito um louco. Comecei a ficar animada com os gemidos dele, e os gritinhos de prazer. Comecei a chupar mais gostoso o pau do menino também, fui colocando cada vez mais o seu pau para dentro da minha boca, e ele só rindo e dizendo: "ooow, que gostosa de menina". Eu estava ficando insaciável, logo mais a minha buceta começou a liberar mais libido, e o pau de Augusto já não estava dando conta. Fiquei de quatro no banco de trás do carro e ele ficou de joelhos atrás de mim. O Menino, com as calças arriadas e com o cacete para fora nem se moveu, continuou ali sentado, comigo chupando seu cacete.



Até que veio a goza. Me deliciei com a goza dele, sendo jorrada direto na minha garganta, tomei tudinho e ainda pedi um beijo. Ele me beijou bem gostoso, mas senti um pouco de nojo da parte dele. Michel pediu para ele sair, trocara de lugar. Enquanto isso, Augusto, ainda me fodendo de quatro, começou a abrir bem a minha bundinha, e falou: "Fernandinha, seria bom liberar essa bundinha heim". Eu não falei nada, ignorei o pedido dele, e comecei a beijar Michel, que também com o pau levantado e apontando para mim, segurou minha cabeça e me direcionou direto para o seu cacete. Comecei a chupa-lo, e fui sentindo um dedo do Augusto invadindo a minha bunda. 




Tirei o cacete do Michel da boca e comecei a reclamar, olhei para trás e vi que era o Menino-Que-Não-Sei-O-Nome enfiando o dedo no meu cú. E o Augusto rindo. "Não foi eu", ele disse. 
O menino rindo, sentado no banco da frente, continuou estocando o dedo no meu cú. Comecei a reclamar de novo, mas Michel segurou a minha cabeça e começou a meter na minha boca. 




Augusto finalmente gozou, só daí então me toquei que eles nem estavam usando camisinha para me foder. Não tive nem oportunidade de reclamar, com as duas mãos de Michel segurando minha cabeça no seu pau, eu não tive nem reação. E mais ainda que, minha buceta estava insaciável, eu precisava de mais pica para me acalmar. 













Agora quem queria sexo era eu. Forcei para tirar minha cabeça das garras fortes de Michel e me sentei em seu colo. Augusto e o Outro riram e estavam sorrindo, animados pelo meu apetite voraz. Sem falar nada, eu comecei a rebolar no pau de Michel, ele penetrou a minha buceta e começamos a foder, bem gostoso, devagar e ao som de musicas eletrônicas que tocam de madrugada nas rádios. O Menino voltou a colocar o dedo no meu cú. Eu não liguei, seu dedo era fino e aquilo estava me dando um prazer delicioso. Beijei Michel com gosto. 




Augusto estava com o pau duro mais uma vez, sentou no banco de trás e pediu para o Michel sair dali, porque queria me foder de novo. "Tem pra todo mundo". Eu disse. 


Cai de boca no pau de Augusto, enquanto fodia em cima do pau de Michel. Quando eu senti um cacete duro esfregando a minha bunda, o outro menino que nunca tinha visto na vida queria comer meu cu. 

Tentei me virar para dizer não, mas, Augusto prendeu minha cabeça. 
Os três riram, e então eu senti a dura e fina vara do garoto, invadindo minha bunda. 



Gritei de dor e de prazer, afinal, você sabe né Edgar, não gosto de dar o cú. Michel estocando o pau na minha buceta, e aquele bastardo tentando enfiar no meu cu. Mal entrou o pau dele e ele começou a choramingar, blasfemando, e dizendo que ia gozar: "oooooh, gostosa demais essa mina". Comecei a gemer e a sugar o cacete de Augusto, na minha goela, e ele também gozou. Logo em seguida, Michel dando fortes estocadas na minha buceta, já vermelha e gozada, também gozou. Fez caretas horríveis enquanto gemia de prazer. 



Os três saíram do carro e começaram a se vestir. Aos poucos eu fui localizando minha calcinha, minha calça. Eles entraram e não falaram um "A". Saímos daquele breu da noite, e fomos para a cidade. Eles tiveram a audácia de me levar para fora da cidade, para fora de uma rodovia que nunca vi na vida, longe de tudo. 

Michel me deixou em casa, disse boa noite e foram embora. 
Entrei em casa, tomei um banho e dormi assada. 

***

_Uau, bela história heim Fernanda. 
_Bela nada, mas valeu a noite. 
_Valeu é? E quando é que vai liberar essa bundinha para mim heim? Tá liberando pra gente que nem conhece.
_Aah, vai te catar Edgar. 



segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Imagem da Semana #19

Estes dias atrás a Marylim veio me visitar, com uma calça de ginastica que me empaudureceu no mesmo instante. Mas estava um outro amigo meu aqui em casa, que, não sabe muito bem sobre as minhas aventuras sexuais (muito menos que a moça que foi ali em casa, me levar uns DVDs é uma prostituta de luxo). Portanto, a chamei para me acompanhar até a cozinha.
Fomos para cozinha, deixei meu amigo na sala. Não ia dar para fazermos uma rapidinha, mas admito que tive que tirar meu pau para fora e estocar na bunda de Marylim!!!

Aaah, que gostosa!

A imagem da semana do que se passou comigo leitores e leitoras:



Linda semana galera!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Fodendo minha Leitora Safada: Metendo no domingão (Parte 5)

Enfim, queridos leitores, o ultimo conto desta série que agradou muito dos leitores e leitoras daqui do blog, as minhas aventuras, indo para Minas Gerais e me encontrando com uma Leitora Safada do blog. 
Já coloquei os links anteriores aqui, mas vamos lá, para que perdeu todas essas aventuras, segue o link da Leitora Safada. Também disponível no Musas da Vida

Parte final do meu encontro: 

***

Acordei com o sol invadindo a janela do quarto, e a Leitora safada estava acordada, com a cabeça encostada nas minhas pernas, quase com a cara no meu pau, mole e cansado. O quarto cheirava a sexo. 
Na minha mente, chegou as lembranças da foda de ontem, dos gemidos dela, e da minha gozada gostosa que me fez virar os olhos. Ela sorriu para mim, deu um "bom dia" com lindos brilhos nos olhos e me beijou. Já sentando no meu colo. Segurei sua bunda grande e empinada, e ela continuou me beijando. Queria mais foda. Comecei a beijar seus seios e ela começou a gemer, com vontade de meter mais. Meu pau começou a ficar ereto, e ela começou a se esfregar nele. Ficou com o clitóris em cima da cabeça do meu pau e começou a gemer no meu ouvido, abraçada em mim. 

Estávamos suados e cheirado a sexo. Pedi para ela para irmos pro banho. Levantamos, eu ainda ereto, e ela segurando minha mão. Ela ligou o chuveiro mas eu já fui me sentando e colocando ela no meu colo. Começamos a foder gostoso enquanto mediamos a temperatura da água. Assim que a água ficou boa, entramos debaixo do chuveiro. E eu, comendo sua buceta que cada vez ficava ainda mais gostosa. A cada estocada, ficava mais molhada, com o fundo da cona ainda mais apertadinho para a cabeça do meu pau. 

Depois que metemos no banho, fomos para a cozinha. Se levamos 30 minutos metendo, queria dizer que acordamos as 11 horas da manhã. O domingo estava bonito, e algumas nuvens cinzentas bem longe dali.

Ajudei a "Leitora Safada" a preparar um belo almoço de domingo. Alguém toca a campainha, eu fiquei escondido lá no quarto enquanto ela foi atender. Mais uma vez as vizinhas fofoqueiras foram perturba-la. Ouvi algumas dizerem que a televisão ficou ligada até de madrugada, e que o som estava muito alto. Elas ouviram muitos gritos a noite toda. E a Leitora explicou que deixou sim a TV ligada a noite toda porque estava sozinha. 

Elas foram embora e finalmente almoçamos. 
Depois do almoço, eu e a Leitora assistimos televisão. Assistimos a um filme, e depois fomos para frente do pc, discutir sobre o blog. Contei para ela sobre alguns contos que não estão no blog, e que quero postar em breve, e isso foi a excitando. 

Ela recebeu uma ligação, atendeu e era o seu marido, dizendo que sairiam de São Paulo as 21:00. E que provavelmente chegariam de madrugada. Ela falou um pouco com seu filho também e desligou. 
Parecia triste e melancólica, talvez por ter traído sua família comigo. A deixe sozinha, desliguei o computador e fui para sala, quando voltei, ela estava na cama, de pernas abertas, nua e se masturbando para mim:

"Sumiu porque?"


Arranquei minhas roupas e parti para cima dela. Enfiei toda a minha pica naquele bucetão, já molhado. Senti que ela estava mais ligada, mais vibrada no meu cacete. Ela sabia que aquela metida ali seria uma das ultimas. Então a comi com mais amor. Beijei mais a sua boca, beijos mais demorados. Beijei mais seus seios, e alisei mais o teu corpo. Ela ia gemendo, e se arrepiando cada vez mais. Delirando e se deliciando com os toques. 

Coloquei ela no meu colo e fui metendo mais, estocando meu cacete no fundo de sua buceta. Fui invadindo a sua bunda com as mãos e enfiando meu dedo na sua bunda. Ela foi mordendo minha orelha, indicando que estava mesmo gostando. Enquanto eu chupava seus seios enormes, tirei meu cacete molhado de sua buceta larga e comecei a penetrar no seu anûs. Apertado, mas logo foi se alargando. Ela rebolou para não doer, e foi encaixando o meu pau no seu cúzinho com delicadeza, mexendo o quadril de forma delicada. 


Enquanto eu ia metendo no seu cúzinho, ela ia gemendo de prazer. Eu também não aguentei. Seu cuzinho é muito apertadinho e as reboladas que ela dava simplesmente me faziam ir para o paraíso, comecei a alisar a sua buceta e ela logo foi tirando a minha mão para se masturbar. Ia gemendo, recebendo pica no cu e se masturbando com todos os dedos. Comecei a enfiar três dedos na sua buceta e ela foi gemendo mais alto. Querendo gritar mais. Rosto todo vermelho, já não aguentava mais. Gozou em mim, gozou em cima de mim quando tirei os três dedos, e voltei a penetra-la. Com o pau enterrado no seu cú, eu fui enterrando todos os meus dedos na sua buceta. 


Estava quase enfiando minha mão toda, quando ela ejaculou e saltou de cima do meu pau. Agarrou meu cacete e foi logo me chupando. Fez uma garganta profunda inesquecível, que me arrancou uma ejaculação de porra, na sua garganta.

Deitamos lado a lado. Cansados.

Ela riu, me olhou com um rosto triste e sorridente. 
_Não queria que fosse embora. Queria que ficasse para sempre. 
_Não posso. Tu tem família, marido, filhos. Não vamos perder contato, ok? 

Nos beijamos mais uma vez, masturbei meu pau e ele já estava duro novamente, senti uma molencia, portanto, aquela foda teria que ser a última do passeio todo. Fui colocando meu pau na sua buceta, mas para minha surpresa, ela agarrou o meu cacete com a mão cheia, e foi direcionando ele para o cu. 
"Vou aproveitar o seu cacete na minha bunda, porque meu marido não gosta disso"
"Ele não sabe o que está perdendo"


A beijei novamente, enquanto ela cavalgava no meu cacete duro. Ela ficou em cima de mim, e enquanto ia estocando meu cacete no seu cu, eu fui masturbando-a. Coloquei 4 dedos na sua buceta e ia penetrando cada vez mais forte, mais fundo. Alisando a parte de sua da sua buceta. Seu cú piscada, apertando meu cacete. 


E ela foi me beijando, ficamos nos beijando enquanto eu metia mais fundo. 


Ela se sentou no meu colo, e foi subindo e descendo. Olhava para mim com cara de safada. Seus olhos lacrimejavam, talvez sabendo que sentiria saudades do meu cacete grosso estocando teu corpo. 



Por último, quando estava prestes a gozar, ficamos de ladinho. Fui metendo mais fundo ainda, e gemendo no seu ouvido. Ela deirando, só gritava, nem gemia mais. Sua buceta gozava e jorrada orgasmos, e o seu cu piscava. Até mastigar o meu cacete, e me fazer gozar, lá dentro. 




Exausto eu me deitei ao lado dela, e ela encostou a cabeça no meu ombro. E ficamos ali, olhando para o teto. Uma leve chuva começou a cair, e ficamos só nós dois. Cercados pelos pingos da chuva lá fora, deitados no quarto escuro, cheirando a sexo. Meu pau mole, não ia conseguir levanta-lo. Ela toda gozada, no cu e na buceta. 
Acabamos cochilando. 

Acordei era as 21:00. E já fui para o banho. Tomamos um banho juntos, trocamos beijos e abraços. Alguns amassos também, é claro. Quando me flagrei me aproximando dela e com o pau enorme, já nas mãos delas. Ereto. Penetrei sua buceta e ela sem reclamar, só foi gemendo. Metemos em pé no chuveiro, da melhor maneira possível. Olhando nos olhos dela, gemendo junto dela. 
O telefone dela tocou, devia ser seu marido. Ela se esticou para atender. Colocou no viva voz e eu ouvi a voz do marido dela, enquanto estocava o cacete na sua buceta. 


_Oi amor, já estámos partindo para casa

_Tá bom, vem com cuidado, sem pressa.


Estoquei o cacete na sua buceta mais fundo, e ela engoliu o gemido. 
_Estou no banho, nos falamos depois. 

E ela desligou o telefone para poder gritar de prazer, gemeu feito louco com as minhas bombadas em sua buceta. 

Depois o banho nos despedimos. Dei centenas de beijos nela, e sai de sua casa quando vimos que a rua estava vazia, para não terem o que falar. 

Quando cheguei em São Paulo, dormi feito pedra, acordei de tarde e já corri para o email. Encontrei um email dela dizendo que o marido dela chegou querendo fazer amor. Ela disse que nunca teve um sexo tão ruim na vida dela, e que sentia falta de mim. 
Fiquei feliz e triste. Feliz por ter feito ela feliz com a viagem, mas triste por ter deixado uma fogosa mulher, louca por sexo, com um homem que não a satisfaz.


Só restam-nos saudades.

***

Encerro aqui os meus contos com a Leitora Safada (a não ser que eu volte a ve-la!) Que tal? 


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Show Ruim & Show Bom (Webcam #8)

Oi leitores!

Mais uma terça feira e eu vindo aqui falar de SHOWS DE WEBCAMs.

E o engraçado foi que recebi um email perguntando "quais são os critérios que uso para selecionar os videos de Webcam". Bem, os shows que me excitam, eu compartilho, os que acho parado demais, muito sem graça, musica ruins, ou gemidos fracos, eu acho ruim!

Entendido queridos leitores?

Vou mostrar-lhes um show de Webcam ruim:

A loira é muuito fraquinha. Som ao fundo ruim, a voz dela é alta demais devido a péssima qualidade da camera, e, bom, apesar da buceta molhada, e da masturbação deliciosa, e claro, dos belissimos seios, essa loira aí não soube fazer um bom show.
link para quem está no celular vendo putaria.


Agora, este video a seguir, é um BELO show!


O som esta ruim, mas, aumente o som ao maximo, e ouça os gemidos deliciosos dessa moreninha. Buceta molhada, e o vai e vem dela brincando com a bucetinha toda desabrochada.
O sorriso dela é contagiante, e a rebolada enquanto enfia o pau de borracha, é de empaudurecer qualquer um!

Sinta os gritinhos dela. Isso sim é um belo SHOW DE WEBCAM!
(Meus amigos homens que estarão se masturbando ao assistir este video, eu acabei gozando nos 4:10, no segundo Round, gozei no 9:40, com ela enfiando o pau de borracha no cu e metendo o dedinho na buceta!)

 Link aqui, para quem esta vendo putaria no celular. 



Por hoje é só queridos leitores!


domingo, 17 de novembro de 2013

Leitora Safada: Comendo até a bundinha (Parte 4)

Queridos leitores, os meus relatos de quando fui para Minas me encontrar com uma leitora está chegando ao fim, portanto, caso não leram as últimas postagens, segue os links:

Parte 1: Cheguei em Minas, fodi a minha leitora no sofá da casa dela, e rimos das loucuras
Parte 2: A levei para cama, comemos e continuamos na boa e velha fodelança!
Parte 3: Fode mais, a noite chega e o cuzinho é prometido! Hora de foder ainda mais!

Parte 4: 

Fiquei louco com a espanhola feita pela Leitora, e ela saciada pela goza em todo o seu rosto. Ela riu deliciada e eu desci de cima dela contente por aqueles seios gostosos. Ela começou a lamber a porra jorrada em sua casa e começou a engoli-lo. Achou o gosto ruim e riu. 
Se aproximou para me beijar, e pediu para ir tomar um banho. Sussurrou no meu ouvido:
_Vo limpar direitinho minha bunda, porque a noite ela é toda sua Edgar. 

A promessa desse cuzinho me deixou de pau ereto. Quando ela entrou no banho, acabei vendo ela se olhando no espelho, apalpando os seios. Quando me viu, ficou corada de vergonha. Não ri da situação, apenas sorri para ela, dizendo que estava tudo "ok". Agarrei a Leitora Safada por tras e ela já agarrou os meus braços. Comecei a beijar a sua nuca e ela foi delicadamente encaixando a sua bunda no meu pau. Meu pau não cansou da ultima gozada, estava ereto e grosso. Fui debruçando ela na pia do banheiro e ela rindo. Se olhando no espelho todo o tempo.  

Ela empinou bem a bunda para mim, ali naquele banheiro pequeno do quarto dela, comecei a meter na sua bucetinha, ainda molhada da masturbação passada. 


Ela debruçada na pia do banheiro, não largava os olhos do espelho. Ora me olhava e ria, ora olhava pra si mesma e gemia ainda mais, de boca aberta. 
Não parei de fode-la, ate ela começar a goza ainda mais. Suas gozadas começavam a escorrer pela perna, e eu percebi que não gozaria tão cedo, mas, queria me garantir. 
Ainda tinha vitamina que fiz de tarde, a base de amendoim, pra aguentar aquela gostosa a noite toda. Então, a beijei enquanto a fodia ali no banheiro, e tirei meu pau de dentro dela. 
_Toma seu banho, gostosa, que eu vou me preparar para você. 

Percebi que ela nunca havia fodido se olhando no espelho, e ficou deliciada com a situação. Nem ligou de estar com a cara ao lado da torneira da pia do banheiro, o que importou com o pau na buceta, e o meu saco batendo na sua bunda empinada. 
Ela tomou o banho e eu fui para  cozinha, tomei a vitamina, e meu pau, ereto, não iria cansar tão cedo. 

Quando voltei para o quarto, ela já estava terminando o banho, fiquei ali deitado na cama, esperando-a. Ela saiu do banheiro, com todo aquele ar de mulher poderosa. Se deitou na cama e eu já fui alisando sua pele, passando a mão no seu quadril, e na sua cintura, subindo para sua nuca e a beijando bem demorado. 

Ela logo foi tomando atitude, se deitou de bruço e ficou com a bunda bem empinada para mim. Começou a se masturbar bem de leve, e sua buceta já foi se abrindo e ficando cada vez mais molhadinha. Eu cai de boca naquela buceta gostosa sendo masturbada, e aos poucos fui chupando o seu cuzinho. 

E ela ia se masturbando cada vez mais forte, e mais gostoso. Seus gemidos começaram a ficar um pouco mais altos e eu comecei a enfiar a minha lingua no se cu. O cuzinho virgem da Leitora Safada, muito apertadinho, nem chegava a se abrir com a excitação. Enfiei alguns dedinhos na sua buceta e comecei a movimenta-lo bem de leve. 

Os gemidos só aumentando, e então, mais uma lambida no cu e mais uma forçada de lingua na bunda dela. Aos poucos ia sentindo aquele cuzinho se abrindo, e ela gemendo. Ora ria e dizia que aquilo ela nunca tinha feito antes, e que estava nervosa. 


Salivei no seu cu e comecei a colocar o dedo indicador dentro dela. Também coloquei o dedo do meio na sua buceta e comecei a movimentar a minha mão, para dentro dela nos dois orifícios. Ela começou a rebolar de leve com a minha mão, e a sua masturbação em cima do clitóris não parou. Me posicionei atras dela, ela ainda de quatro para mim, e comecei a esfregar o meu pau em sua buceta. Molhada e aberta. E ia passando, esfregando meu pau no seu cuzinho fechado e agora todo salivado. Ia esfregando da buceta para o cu e do cu para a buceta, bem de leve. Até que ela abriu bem a bunda e disse que já estava pronta. Pedi para ela relaxar bem, e ela ouviu bem o meu pedido, senti que seu cu deu uma relaxada, e então, comecei a penetra-la.

Sinceramente, penetrar o cuzinho da Leitora foi muito mais fácil do que outras bundas que já comi antes, comecei a bombar bem de leve e ela só escondendo gemidos. Não parou de se masturbar por nenhum minuto, e sentia a sua buceta bem molhada enquanto penetrava a sua bunda, bem devagar, sem machucar. Aos poucos ela foi se acostumando com o meu cacete. Agarrei os seus seios e ela já ficou de joelhos na cama, continuei metendo na sua bunda e ela gemendo, cada vez um pouco mais alto. Fui percbendo que o seu cu foi deixando de ficar apertado e a sua buceta foi ficando ainda mais molhadinha. Comecei a meter ainda mais fundo naquele cu, e quando estocava, ela ia gemendo e dando gritinhos. Ria e olhava para mim com cara de safada. 

Comecei a aumentar a velocidade das metidas e ela logo deu um pulo para longe do meu pau, dizendo que não aguentava. Senti a sua buceta tremendo e seu corpo todo arrepiado. Ela havia gozado com as minhas estocadas na bunda. 

Me deitei na cama e a beijei novamente, falei para ela vir por cima, e sem hesitar, subiu em cima de mim. Foi gemendo com tudo, e encaixando o seu cu em cima da cabeça do meu pau. Ela foi se masturbando, enfiando o dedo na buceta enquanto o meu pau ia entrando lentamente na sua bunda. 

Foi entrando sem dificuldades, mas o seu cu me apertava o pau, que me fazia delirar. Mal notei quando estava gemendo alto e de olhos fechados, delirando. Ela olhou para mim e ficou fora de si. Ficou corada ao ver como eu estava delirando comendo o seu cu. 


Ela ficou se masturbando enquanto eu mexia meu quadril estocando o seu cu. Ela em cima de mim, começou a gritar um pouco mais, e logo se virou para continuar me beijando. Desesperada por mais pica, sua boca estava molhada, assim como o seu corpo com nosso suor misturado.


Ela se sentou em cima de mim e começou a rebolar o quadril. Quase enlouqueci, quase gozei. Mas segurei. Como que em 30 minutos de estocadas no cu dela, ela começou a me dominar. Começou a rebolar em cima de mim, e o meu pau chegando no limite. 


Agarrei ela por trás, e abracei seus seios enormes, mordi a sua nuca e ela, rouca de tesão, pediu para eu deixar um chupão.
_E o que você vai falar para o seu marido? 
_O corno não vai nem ver, me chupa.

Deixei um chupão bem na nuca da safada, e ela se arrepiou inteira. Não preciso nem dizer que seu cu me apertou tanto o pau, que acabei gozando dentro dela. 
Larguei ela do meu lado e tirei meu pau do seu cuzão, agora desvirginado. E ela logo pulou para cima de mim e me beijou. 
Meu pau continuou ereto, e enquanto ela fazia graça em cima de mim, me beijando, e me mordendo o pescoço, eu já fui enfiando meu cacete duro e gozado na sua buceta de novo, para novas estocadas fortes na buceta. 

Ela continuou me mordendo e rebolando em cima do meu pau gozado. 


 Eu bombei no seu cu e na sua buceta com ela de quatro, encostada nos travesseiros empilhados na cama. 



Continuei com o pau ereto enquanto a minha porra começava a pular para fora da cabeça do meu pau, mas ela, toda insaciável, continuou querendo mais. Mais pica e mais estocada na bunda. Continuou saltando em cima de mim. 


Quando ela voltou a ficar de quatro, comecei bombando ainda mais naquele cuzão que já estava gozado e lubrificado o suficiente para estoura-lo. Meu pau não se cansava por causa de tantas vezes já gozado no dia. E quando eu parava de meter no cu, eu pulava para a bucetona aberta e preta da Leitora. E ela gritando de prazer, revirando os olhos, a todo momento. 


E quando ela cansava de ficar por baixo ou por cima, ficamos de ladinho. Ela abrindo bem a sua bunda para eu ir metendo com a minha vara dura e gozada no seu cu, enquanto ela, com a cara toda cansada e o corpo todo suado, ia recebendo a minha tora na xana e na bundinha. 
_AAAAAAH, Edgar, continua, tá muito bom essa pica no meu cú. Ai, porque que eu não dei o cu aaaantes!!! Gemia ela, quase chorando por não ter dado a bunda antes. 


Olhei para o relógio e já era 3 horas da madrugada. Eu já havia comido ela em todas as posições, e ela já tinha gozado tantas vezes que até já tinha perdido a conta. Estávamos numa sincronia tão gostosa que não cansávamos nunca. Podíamos continuar metendo até o sol raiar, que ainda seria pouco. 

Até que comecei a estocar muito forte, e muito rápido na sua buceta. Saia de sua buceta e começava a estocar o seu cu. Ela ia delirando e gritando de prazer. Meu pau estava todo gozado, e a sua bunda estava toda aberta. Eu beijava e chupava a sua língua e ela ia rebolando em cima do meu pau. Com minha pica estocada no cu ou na buceta. 


Eu estoquei tanto no seu cu e na sua buceta, que sentia meu pau amolecendo, apesar do pique em que estávamos, e a sua bunda toda vermelha de tanto que eu bombava. Ela começou a dizer que não conseguia mais sentir da sua cintura para baixo, e então foi hora de gozar. 

Tirei meu pau já gozado do seu cu lambuzado de porra, e me sentei na cama. Ela sem mover o corpo, começou a sugar as minhas bolas, começou a sugar a cabeça do meu pau, e logo enfiou ele todo na sua boca. Gozei na sua goela. Ela tirou o meu pau da sua boca e eu continuei gozando, feito um louco. 

Depois que gozei, vi ela fechando os olhos e dormindo, exausta. Suada no corpo todo, gozada na cama toda. Olhei para a janela do quarto e vi o suor pingando no quarto. O meu corpo todo suado e também pingando, acabei dormindo nu, com ela segurando meu pau gozado. Exausto.

---

Pessoal, próximo post, já é o ultimo dessa minha linda história de sexo com a Leitora Safada que tivemos neste mês de outubro.


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Gozando litros (Delírios de Edgar #14)

Explodam minha cabeça se este vídeo não for o mais excitante de uma gostosa se exibindo diante de uma câmera!
(Detalhe, não é um Show de Webcam, porque, afinal, quem está filmando a mocinha do vídeo, é seu namorado)

Este video a moça goza, mas goza tão gostoso, que eu assistindo ao video, gozei tantos litros quanto ela! Sério meus amigos, preparem-se para gozar!



Nem vou perguntar "SE GOSTOU", eu sei que todo mundo vai gostar, principalmente na hora em que chega no pepino!!! 
(Me lembrei da Angela, alguém mais?

link para quem está vendo putaria no celular

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Fodendo a Leitora Safada: A Noite é só o começo (Parte 3)

Olá queridos leitores, já sabem da maior?

Durante a minha ausência de Outubro, fui para Minas Gerais comer uma leitora do blog, a "Leitora Safada".
Para quem perdeu as duas primeiras partes, segue o link:


---

Depois daquela deliciosa foda (Leiam a parte 2 para saber do que estou falando), ficamos ali deitados, um ao lado do outro. A cabeça dela apoiada no meu antebraço, e eu ali, olhando para o teto e imaginando na loucura que havia feito ido até ali come-la.

Ela, ainda deitada do meu lado, estava de pernas abertas, mexendo na buceta, colocando um dedo lá dentro e sentindo a minha porra cair na cama.
_Tu goza pra caralho heim. Não imaginava que ia ser assim, vo acabar engravidando. 
_Teu marido vai achar que é dele. Eu não tenho nada a ver com isso heim.
E dei um beijo nela.
_Ele vai ficar ficar, e eu vou saber pro resto da vida minha minha filha na verdade é sua. 
E me deu um beijo demorado.

Passamos mais uns trinta minutos ali deitados, e então a campainha tocou. Ela vestiu o roupão e foi lá na porta atender, eu fiquei no quarto dela, descansando. Meu pau já estava mole, mas, precisava exercita-lo para continuar comendo a Leitora por mais um dia inteiro.
Percebi que ela estava demorando, então me aproximei da sala, era uma vizinha, estava preocupada com algo.

Quando a Leitora conseguiu despistar a mulher, voltou para o quarto e me contou que, a vizinha ouviu os gritos dela lá da sala, e foi ali ver se estava tudo bem, porque alguém viu que alguém contou que pela manhã um homem havia entrado na casa dela. Ela negou o fato e disse que os gritos era do filme que estava vendo no quarto dela.
O meu carro eu deixei estacionado ao lado da padaria no final do bairro, e o deixaria lá até ir embora. Portanto, somente na hora de ir embora da casa da Leitora eu precisaria tomar cuidado para que nenhuma vizinha fofoqueira me visse.

Fomos para o banho. Tomar banho junto também era um fetiche dela. Ela disse que o marido dela nunca tomou banho junto dela. Portanto, proporcionei este prazer. A beijei no chuveiro a também a masturbei. Não sou de ferro, meu pau não se levantou. Mas ela não questionou o fato do meu pau não ter levantado. Apenas os beijos e as caricias já a fizeram bem.

Voltamos para a cozinha. Preparei uma vitamina com amendoim para eu tomar, afinal, precisaria durar a noite toda. Ela preparou algumas torradas para comermos. Para variar, fomos comer lá no quarto dela. Quando estávamos quase terminando, ela me contou:
_Tenho um outro desejo. Vamos fazer sexo lá no quarto do meu filho? Sempre quis transar lá na cama dele. Meu marido acha errado. 




Eu me levantei e tirei a camisa, ela se levantou e me guiou para o quarto do filho. O menino de 14 anos, ainda com um quarto todo azul e alguns livros de escola no chão. Ela deitou na cama do filho e já foi me puxando. Pegou o meu pau que já estava ficando teso com os olhares dela, e começou a me sugar.

Me sentei na cama e trouxe ela para cima de mim. Ela agarrou o meu pau e sentou em cima dele, cobrindo-me com a buceta. Lambi meus dedos e passei no meu pau para facilitar a penetração, mas não precisou. Em poucos instantes ela já estava bem molhada, e pulando em cima de mim. Sorrindo.

A cama do filho fazia um barulho estranho, e batia na parede todo o tempo, mas era exatamente isso que a fogosa queria.


Continuou pulando em cima do meu cacete, até me abraçar e começar a rebolar no meu pau, mexendo ele para todos os lados. Rebolando devagar, ela disse que conseguia sentir toda a extensão do meu pau, e isso a excitava e muito. Comecei a masturbar o seu clitóris, e ela só delirando. Desceu de cima do meu pau e ficou de costas. Abriu bem as pernas, e ficamos ali, metendo no quarto escuro do filho dela, de ladinho.



Quando estava prestes a gozar, ela pediu para eu parar. Não queria que eu gozasse agora, porque iria querer meu pau teso para de noite.
Eu realmente estava começando a ficar preocupado se aguentaria aquela gostosa a noite toda, e ainda estávamos no sábado. Domingo seria mais sexo o dia todo.


Olhei no relógio e já marcava 20:00. O tempo voa quando a gente fode sem compromisso. Pedi para ela se sentar na minha cara, e afiz gozar chupando sua buceta molhada, gozada, com cheiro do meu pau. E enquanto eu ia chupando, lambendo toda aquela cona enorme e negra, eu ia massageando seus seios.

Ela delirou comigo ali, rebolando na minha boca, lambuzando toda a minha cara.


Nos levantamos depois que ela gozou.
Ela decidiu pedir uma pizza. Fechamos o quarto do filho dela e ela me abraçou. Disse para mim o quanto queria foder ali. Questionei para ela se por um acaso ela tinha algum fetiche pelo filho, e ela disse, com o rosto corado que sim. Sempre cheirou a cueca do filho, e, a algumas semanas atras começou a notar que o velho vem gozando na cueca. Ela se excita ao sentir o cheiro das cuecas gozadas do filho.

Comemos a pizza e ficamos de caricias no sofá da casa dela. Vendo TV e falando bobagens. Afinal, nunca havíamos falado tanto sobre bobagens, apenas jogando conversa fora. Ela disse que queria engravidar de mim, e que tínhamos que foder mais, e de todas as maneiras possíveis. Não aguentei a Leitora me provocando daquele jeito, me levantei com o pau teso e ela já foi tirando a calça de moletom que usou para sair até o portão apanhar a pizza.
Tirei também a sua camisa, e ela já foi tirando a minha. Mais uma vez caí de boca naquela buceta preta da Leitora Safada, e, falando bobagens para ela, ela começou a gemer. Os gemidos de mineirinha no cio. O sotaque gostoso e o gemido que ia indo e vindo de um fino tremor no tom de voz.

Eu fui beijando a buceta, logo beijei a barriga, e quando vi já estava chupando seus seios, e a masturbando. Enfiando 3 e depois 4 dedos dentro da sua buceta. Molhada do jeito que gosto, e então, já fui enfiando meu cacete.

Apanhei meu pau e fui enfiando de pouco em pouco, penetrando a cabeça, para ela sentir a cabeçona inteira. Fiquei pressionando o meu pau, apertando ele com a mão, para ele ficar com bastante sangue e engrossar. Ela foi sentindo as veias do meu pau entrando, pouco a pouco. E os seus gemidos só aumentando, ao longo que o meu cacete ia entrando. Invadindo sua flor.


Eu me deitei ao seu lado e fui metendo na sua buceta sem parar. Mais uma vez, coloquei o meu pau lá no fundo de sua buceta, e ia estocando. Fiquei bem ao lado do seu ouvido sussurrando:



"Leitora (eu falava o nome dela), você é muito gostosa."

"Eu geralmente não aguento mais que cinco gozadas por dia, mas com você, eu aguento até 20"
"Sua buceta é divina, teu corno não sabe o que ele tá perdendo"
"Quero comer a sua boca, os seus seios e o seu cuzinho"


E ela disse o que eu queria ouvir:

"Você vai comer o meu cuzinho a noite toda, Edgar"

Continuei metendo com vontade nela, passei a mão nos seus seios e fui massageando-os.

Me levantei e com ela grudada em mim, joguei ela contra a parede e ergui a sua perna. Continuei metendo nela, em pé, grudados na parede. Ela rindo, não sabia se ria ou se gemia. De olhos fechados, ela só conseguia dizer que estava bom e que eu era bem melhor que o corno dela.


Fui metendo mais fundo nela, e ela de pé. Senti que suas pernas estavam prestes a perder as forças enquanto eu a comia em pé, no meio da sala. Fui gozando aos poucos dentro de sua buceta, mas não ia ser agora que iria parar de fode-la! A noite só estava começando!!!!

A coloquei no meu colo, e fui com ela, para o quarto, segurando sua bunda, com o meu pau dentro de sua buceta, a carregando até o quarto.


A joguei na cama e ela estava corada.

"Ele nunca me trouxe para cama desse jeito"
E já foi logo abocanhando meu cacete molhado. Chupou ele todinho, deixando ele bem molhado. Ela se deitou novamente e estranhou que eu passei reto. Em vez de meter na sua buceta, subi em cima dela e fui metendo nos seus seios. Grandes seios, de mulher que já amamentou filho e um marido, agora corno, estava era amamentando o meu cacete duro e molhado.


Ela entrou na brincadeira da espanhola. Agarrou bem os seios e começou a se movimentar para cima e para baixo, me masturbando com aqueles lindos seios grandes e fartos. Eu fui delirando. Ao mesmo tempo em que ela ia masturbando meu cacete com os seios, e lambendo a cabeça do meu pau de forma delicada, eu fui masturbando a sua buceta. Sem parar, com o meu dedo indicador.


Ela ia gemendo enlouquecidamente e me masturbando com o seios ainda mais rápido, e eu comecei a penetrar meus dedos na sua buceta enorme e molhada. Penetrei o dedo do meio, logo em seguida o indicador e depois o anelar. Enfiei o mindinho, e quando estava tentando encaixar o polegar dentro de sua buceta toda gozada e molhada, ela pressionou demais meu pau.

Acabei gozando no seu pescoço, no seu rosto, no seu cabelo e no seu olho.

É CLARO QUE CONTINUA, PESSOAL!