Melhor Sex Shop virtual!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Amor no Colegial (Fim do Namoro com Angela)



Olá pessoal, hoje vou contar-lhes o motivo pelo qual terminei o meu namoro com Angela, aquela fogosa de 16 aninhos que foi a minha deusa da juventude. 
Vou fazer uma breve recapitulação do que aconteceu até agora: 
No colegial, tinha uma garota, Angela, com fama de chupadora de pinto. Na seca e vontade de meter, eu seduzia ela de todas as maneiras possíveis  ate um certo dia ela aceitar ir pra minha casa. Logo no primeiro encontro metemos, e ela me chupou como nunca. Passou-se alguns dias e continuamos nos encontrando, ela me contou que nunca havia chupado ninguem, e que a má fama era coisa de alunos e alunas invejosas. Eu acreditei, oras, porque não, e começamos a namorar.
Fodiamos todos os dias em casa, já que não ficava ninguém durante a tarde, mas, eis que surgiu o fim do namoro.
Aqui para quem se interessou pela historia completa: Parte1, Parte 2, Parte 3 e Parte 4.

Em resposta a uma pergunta que rolou em um meme aqui no blog (segue o link), eu disse que mandaria a Angela para o Iraque com a Camisa "I Love USA". Bom, acontece que a explicação esta nessa postagem, o motivo pelo qual fiquei muito chateado com a fogosa, foi que ela mentiu para mim, foi a primeira grande traição que tive na minha vida. Imagine um rapaz de 16 anos sendo traído, ele não se controla. Até hoje guardo uma magoa grande por ela. Enfim, fiquem com o conto: 

---

Eu e Angela, nos entre olhando na sala de aula, no meio de uma prova de matemática  Meu pau excitado, não conseguia me concentrar em nada, só pensava na buceta de Angela, e como eu iria segurar a sua cabeça enquanto ela chupava meu pai. Todos os dias eram iguais, nós dois nos encontrávamos em casa, as 15:00, depois que todos saiam para trabalhar. ela sempre chegava cheirosa, pomposa. Subíamos para o meu quarto e tudo começava com uma chupada. Eu era o picolé dela, e ela não vivia sem o meu pau duro.
Era uma época louca, eu não conseguia viver sem Angela, nos finais de semana não nos víamos  porque não tínhamos como ficarmos o dia todo metendo no meu quarto, então, na segunda feira era o dia de descarregar todo aquele desejo dentro da bucetinha dela. Metendo com fúria, fazendo ela gritar de prazer, ejacular no meu pau.
Fora durante uma aula de educação física, eu fiquei sentado na quadra enquanto ela e um grupo de meninas ficaram jogando vôlei  Eu que não tinha nada para fazer, nunca fui esportista, fiquei deitado na arquibancada. Foi quando chegou perto de mim um garoto que no qual eu nunca gostei, seu nome era Pedro, fiel amigo de Marquinhos, o garoto no qual a escola inteira conhecia como o maior comedor de menininhas, a fama dele era de ja ter desvirginado 5 garotas da nossa escola, e claro, ter tirado a virgindade da boca de Angela, fazendo-a chupa-lo atras da escola.
Pedro chegou como quem não quisesse nada: "Fala ae Edgar, tudo beleza?", o cumprimentei, mas continuei deitado, como quem queria dormir.
E ele continuou: "Cara, tu ta namorando a Angela ne?", eu concordei com a cabeça e perguntei: "porque?"
E então veio a bomba: "Então cara, porque o Marquinhos ta com saudades do boquete dela, ele pediu pra eu perguntar, porque, se ela estiver namorando voce, ela noa vai querer chupa-lo ne"
Uma ira incontrolável subiu a minha cabeça, ciumes e uma grande dor no peito me devorou.
"Vai toma no cu Pedro, que porra é essa de Marquinho querer um boquete dela?", o moleque ficou branco de medo. "Manda ele enfiar o dedo no cu e rodar, ela nunca chupou ele, e nem vai chupar, morou?".
Ele de olhos arregalados e penetrados em mim, começou a rir: "Cara, como assim: 'ela nunca chupou e nunca vai chupar'? Tu nao ta ligado que ela é mor boqueteira mano?"

Fechei o punho e ameacei quebrar o seu nariz, eu estava tremulo, nunca fui de briga, mas Pedro se levantou: "Cara, é serio, desculpa te ofender, não quis te irritar, mas, devia conhecer melhor a Angela". E saiu de perto.

Naquela tarde, Angela foi para minha casa, mas as palavras de Pedro ficaram na minha mente. Sem que eu pedisse pela chupada, Angela, no meu quarto, fechou as cortinas e como todos os dias, comigo deitado na cama, ela ficou ao lado das minhas pernas e começou a tirar o meu short. Naquele dia minha mente estava avoada, quando olhei para baixo ja estava com o pau duro dentro da boca dela. Olhei atentamente para ela chupando meu pau, ela tinha pratica. Passava a lingua no meu pau todo, colocava a lingua por toda a borda da pele proxima a cabeça do meu pau, e ia passando a lingua como se fosse um picolé. Depois, abocanhava meu pau novamente, chupando-o inteiro, de cima para baixo. Quando me flagrou olhando atentamente para aquela chupeta, sorriu para mim, e começou a masturbar meu pau com mais vontade.


Depois que ela foi embora, eu fiquei com o pensamento na cabeça, afinal, logo no nosso primeiro encontro, nós acabamos fazendo sexo, Angela era mesmo uma garota muito fácil  não havia sentido ela ser tao 'santa' como se fazia para mim. 
No outro dia, na escola, cheguei para o Marquinho, ele estava em uma rodinha de amigos, ali no meio estava Pedro, que quando me viu chegar perto, avisou Marquinho. Marquinho se virou para mim, ele era alto, cabelos loiros e pinta de comedor mesmo. "Opa Edgar, se quiser falar sobre o que o Pedro comentou contigo ontem, foi mal cara". Interrompi a explicação dele: "Não cara, podemos falar a sós?". Ele concordou. 

Fomos para a quadra onde não tinha ninguém naquele horário  o sinal para entrarmos para sala tocou, então eu tinha que ser breve. 
"Marquinhos, é serio que a Angela ja chupou teu pau?"
"Cara, nao quero causar confusoes, tu ta namorando ela ne?"
"Sim, to, mas, quero saber, é verdade? Ou é zoação, tudo invenção tua?"
Percebi que Marquinhos estava hesitando em contar a verdade, suspirou. A coordenadora já andava pelo patio chamando todos os alunos que não estavam indo para a sala, e então ele confessou: "Cara, sim, eu que fiquei no pé dela pra ela pagar um boquete pra mim, deve ter sido o primeiro dela."

Pronto, eu sabia que aquela menina que se pintava de santinha para mim, na verdade só mentia, desde o inicio.
Entao, para ter a prova real da situação, eu pedi: "Marquinhos, entao faz o seguinte, convida ela pra te chupar, atras da escola, na hora do intervalo. Vo pegar aquela vadia no flagra". E sai de perto, fui para a sala.

Na sala de aula, mal consegui lançar as olhadas sedutoras e quentes que eu e ela trocávamos  Meu corpo estava todo cheio de ciumes, raiva, pavor daquela menina mentirosa, vadia.

Tocou o sinal do intervalo. Eu fui o ultimo a sair da sala. Quando fui saindo, indo em direção ao patio, vi Marquinhos pegando ela pelo braço, no meio da rodinha de amigas dela, ele cochichou algo em seu ouvido e ela riu, corou o rosto. Comecei a observar a conversa de ambos de longe, escondido por de trás de uma pilastra. Li os lábios dela dizendo que não, que não podia porque estava namorando. Mas ele insistiu: "Vamos lá, ninguem vai ver, ninguem vai saber".
Demorou cerca de uns 3 minutos, e ela acabou concordando.

Meu mundo estava acabando, minha visão estava ficando turva de tanta raiva.
Ele pegou na mão dela e foram caminhando para a quadra, passando por de baixo da grade arrombada pelos alunos da noite e foram para trás da escola, onde alguns alunos ficavam fumando maconha, e, onde Marquinhos costumava desvirginar as vadiazinhas. Incluindo Angela.

Passei pela grade depois de alguns minutos, fui indo bem devagar para pega-los no flagra. Não precisei ir muito longe para ver Marquinhos encostado no muro, com as calças arriadas até o chão, e a minha namorada, Angela, de cócoras mandando ver um boquete nervoso no pau dele.
ela estava de costas, e ele virado para mim. Ele me viu próximo da grade e vez um sinal com a mão, querendo dizer: "Foi você quem pediu". Ela nem percebeu, continuou abocanhando o pau gozado de Marquinhos. Eu pensei em aparecer ali e gritar: "SUA VADIA, ME ENGANOU TODO ESSE TEMPO NÃO É?", mas, Marquinhos era um cara popular, metade da escola saberia da baixaria logo de manha. 

Pensei em outro tipo de vingança. 

Meu corpo estremecia de fúria  raiva e ciumes no caminho pra casa. Quando cheguei fui direto para o banho, fiquei la por muito tempo só com a água escorrendo meu corpo. Pensando em como me vingar de Angela: Eu iria foder ela como nunca havia fodido antes. Pela primeira vez a minha excitação e raiva se misturaram, eu iria meter na buceta dela afim de arromba-la, deflora-la, acabar com a bucetinha rosada dela, deixar tudo fodido, acabado.


Fui para o porão de casa e procurei em nossas caixas com roupas a fantasia uma algema que tínhamos, veio junto com uma roupa de presidiário. Ali também encontrei uma venda para os olhos, logo percebi que seria útil para a foda. Levei para o quarto e fiquei na sala esperando ela chegar. Meus pais saíram de casa um pouco adiantado, o relógio marcava 14:50 e eu já estava sozinho. Angela chegou em casa as 15:10, como sempre, banho tomado, cheirosa. Hoje ela estava com uma mini saia, estava fazendo calor. Chegou com um tomara que caia branco, e cabelo preso. Ela sorrindo como sempre, carinha de anjo. Chegou e me deu um selinho, entrou em casa. Senti nojo quando me deu o selinho, aos poucos comecei a sentir nojo até do cheiro dela. Naquela tarde eu foderia ela com toda minha energia, com toda minha força, e seria a ultima foda com Angela.

Peguei ela por trás, apertando sua bunda. Meu pau entesou, e ela sorriu para mim, de um jeito bem safada. Fui empurrando ela para a escada, e ela ja foi subindo correndo, entrou no meu quarto e ja saltou na cama. Entrei no meu quarto e tranquei a porta. Ela continuou sorrindo, e de um modo bem sedutor começou a abaixar o tomara que caia, mostrando seus seios rosadinhos e pequenos.
Me aproximei da cama, apanhei no criado mudo a algema que havia separado e mostrei para ela, sorrindo, forçando um sorriso sedutor. Ela começou a ficar animada: "Uau, ta inspirado hoje heim". E concordei com a cabeça. Apanhei as suas mãos e a algemei, prendendo-a na cabeceira da cama, deixando a presa e com as mãos levantadas. Ela não parava de rir, estava adorando o fetiche louco que estava tendo. Tirei a mini saia dela com força, ela estava com uma calcinha de renda branca. Muito excitante. Ela havia se depilado hoje, estava sem nenhum pêlo. Tirei sua calcinha com violência  deixei um vermelhidão em sua coxa. Ela riu alto, disse que aquilo estava começando a ficar excitante: "Seu bruto".


Não falei nada, deitei atrás dela, ficamos ali de ladinho, tirei meu short. Meu pau estava duro, louco de tesão para fuder aquela gostosinha ali presa na algema. Segurei meu pau e fui penetrando ela, sem cerimonia. Ela arrepiou e retorceu o corpo, reclamou algo que não dei importância  Continuei estocando meu pau para dentro de sua buceta, não estava tao molhada. Senti teu corpo todo arrepiar, ela estremeceu, fechou os olhos de dor, meu pau invadindo seu espaço sem lubrificação alguma. 

Passou a cabecinha e fui penetrando até metade dele entrar, depois fui tirando. Segurei sua bunda e fiz ela erguer a perna, abrindo mais espaço dentro de sua buceta, comecei a invadir com um pouco mais de velocidade. Metendo nela de pouquinho em pouquinho, até entrar todo o meu pau. Ela ja estava molhada, meu pau todo lubrificado, e ela começando a gemer:
"Aaai, voce esta tao bruto hoje", "Porque nao fala comigo?".

E eu metendo sem parar, fodendo aquela bucetinha. Senti que ela estava prestes a gozar, ela começou a rebolar com mais velocidade e de repente parou. Suas pernas tremeram, anunciando a sua goza. Mas eu estava furioso, estava com raiva. Continuei metendo, ela não queria mais, pediu pra eu parar.  Seu gemidos aumentaram, e ela começou a gritar.
Continuei metendo, passei a minha mão pelas suas coxas e cheguei em sua buceta, prendendo o seu corpo no meu. Ela queria tirar o meu pau de dentro de si, mas não conseguia. Comecei a masturbar sua buceta no instante que meu pau ia invadindo cada espaço dela, molhada, gozada. Ela começou a gemer mais alto e a gritar: "PARA, NAO AGUENTO MAIS, PARA".




Não queria nem saber. O meu gozo foi se aproximando, para aproveitar a gozada, comecei a bombar com mais fúria  com mais velocidade. A minha cama começou a bater com força na parede, e então gozei dentro de sua buceta. Estava metendo nela sem camisinha, como seria a ultima vez que estava fodendo ela, queria que fosse da maneira mais natural possível, afinal, com camisinha eu não conseguia dar tantas bombadas como conseguia sem ela. 
Ela franziu a testa, começou a me xingar: "Edgar, tu ta louco? gozou dentro de novo?" (havia gozado nela anteriormente, segue link aqui). mas logo em seguida ela mudou a opinião: "Caralho, que foda deliciosa! Estou sentindo o calor da tua porra dentro de mim.. Ainda to excitada, to louca Edgar"

Eu sem falar nada fiquei ali observando a sua bucetinha soltando toda a minha goza para fora, caindo tudo na cama.
Ela começou a forçar a algema. "Pode me soltar agora? Deixa eu te prender na cama pra gente continuar?"
Meu pau não amoleceu, continuou duro, mas não viril e para cima. Me aproximei de sua boca, e comecei a fazer carinho em seu cabelo, ela me olhando sem entender o que estava acontecendo: "Me chupa vai".

Coloquei meu pau em sua boca, ela sem falar nada abocanhou-me, pensando que depois da chupada eu iria solta-la. Ela começou a me chupar com gosto, trazendo e voltando a sua cabeça, sem deixar nenhum pedacinho do meu pau para fora. Sugou a cabecinha do meu pau de um jeito que me fez delirar. Meu pau estava ereto e viril novamente, querendo por mais, podendo foder muito mais. 
Tirei meu pau da boca dela e ela pediu para eu solta-la. "O caralho que vou te soltar Angela, tu gosta de chupar pau nao gosta?". Ela começou a se assustar: "Que?"

Botei meu pau em sua boca de novo, dessa vez segurei sua cabeça e comecei a meter em sua boca. Meu pau foi parar la em sua goela, ela engasgou, mas continuou chupando. Meti novamente, e mesmo ela engasgando, continuava me chupando, passando a lingua na cabeça do meu pau. Então contei: "É assim que voce chupa o Marquinhos?"

Ela olhou para mim, mas não deixei tirar a boca do meu pau, continuei segurando sua cabeça contra meu corpo.
Ela queria falar algo, mas não conseguia: "Bão, Bomo babe, Borbe ba babando isso?", algo como "Não, como sabe, porque ta falando isso?". Continuei metendo em sua goela, e agora ela sabia o porque estava sendo tao violento e seco com ela. Ela começou a chorar, e queria se explicar, mas eu nao deixava ela falar: "Bara Edgar" (Para Edgar).
Estava prestes a gozar, continuei metendo em sua boca, e ela ja não estava mais chupando, estava usando a lingua para tentar falar, dar suas explicações. Acabei gozando. E ela para continuar tentando falar, engoliu toda a goza. Quando tirei meu pau de sua boca, ela começou a falar e a se explicar: "Edgar, tudo que falam sobre mim é mentira, eu ja te contei que é tudo mentira".

Nem quis ouvir. Só tentei tranquiliza-la: "Tudo bem Angela, tudo bem, vamos continuar fodendo vamos?", ela sorriu: "Se essa é a sua vontade, eu estou louca pra foder mais", deu uma pausa: "Mas Edgar, voce sabe que é tudo mentira né?"

Vi sua bucetinha ainda soltando porra, queria continuar fodendo. A buceta dela ainda pedia por pica. Ouvi alguns soluçõs dela, ela estava assustada com a foda, ainda estava presa e ja havia desistido de tentar forçar a algema. Mas ela continuava excitada, continuava querendo foder. Pensei em parar, afinal, nunca gostei de ser violento com nínguem. Quando subi na cama para solta-la da algema, ela abriu as pernas, olhou para mim com um sorriso maroto: "Edgar, eu só quero voce, me fode vai!".

Eu ri da situação, ela era mesmo uma safada, queria mais pica e era incansável.

Meu pau estava para baixo, não iria conseguir mais energia para continuar fodendo, mas não podia deixar aquela bucetinha do jeito que estava, era a ultima vez que estava fodendo-a, precisava aproveitar mais. Disse para ela me esperar, desci até a cozinha e procurei algo pelo qual pudesse enfiar naquela buceta. Peguei uma banana, mas, parecia ser frágil demais, olhei na geladeira e lá estava, um pepino!

Apanhei o pepino e corri para o meu quarto, escondi ele atrás das minhas costas, ela ainda lá, deitada e presa na minha cama: "Minhas mãos ja estao dormentes, pode me soltar Ed?". Fiz sinal de negativo com a cabeça, subi na cama, apanhei a venda de olhos ao lado e disse no ouvido dela que deixaria as coisas mais quentes. Ela sorriu: "Ok, mas depois me solta ok?"



Coloquei a venda em seus olhos, ela começou a sorrir. "Me chupa? Se nao vai doer de novo", ela pediu. Mas eu não dei a minima. Cuspi em sua bucetinha e comecei a masturba-la. Ela gemendo de leve, começava a mexer seu corpo, seguindo o ritmo da minha massagem. Sua bucetinha voltou a ficar molhada, meti dois dedos ali e comecei a masturba-la mais rápido, com o dedão em cima de seu clitóris  Meti outro dedo e comecei a aumentar o ritmo, ia penetrando a bucetinha dela com mais velocidade. Enfiei o quarto dedo e ela delirou. Começou a gemer e a suspirar mais alto. Ia elogiando meus dedos, e de repente pediu pelo meu pau. Abriu bem as pernas e ficou me chamando. Ela de vendas nos olhos, querendo pica, mal sabia ela o que estava por vir.

Peguei o pepino e comecei a penetrar.

Ela contorceu todo o corpo, o pepino estava gelado, e ela gritou: "QUE ISSO?". O Pepino com mais ou menos 8cm de largura, muito mais grosso que o meu pau que ela estava acostumada. Comecei a penetra-la de pouco em pouco, e ela gritando, gemendo e não se aguentando de tesão. Antes que eu pudesse ter colocado 15 centímetros do pepino ela tremeu. Gozou seu gozo de ninfeta que ja noa aguentava mais. Parou de reclamar, agora ela só gemia, o seu gozo saiu pelas bordas de sua buceta, eu comecei a girar o pepino, e ela enlouquecida perguntando o que era aquilo. A sua buceta parecia que ia explodir, ja estava vermelha e muito molhada. Eu continuava penetrando o pepino, ela começou a gritar de prazer e dor. 
"AAH, QUE ISSO ED? QUE ISSO? TA ME FODENDO PRA CARALHO". E mais umas centenas de palavrões saíram da boca daquela linda menina, babando de prazer, enlouquecida. 

Parei de enfiar o pepino. E ela começou a vibrar seu corpo, mechendo teu quadril, rebolando e querendo mais daquele pepino entalado em sua buceta. Mordi seu seios, cai de boca ali e comecei a chupa-los. Ela estava delirando. Os bicos de seus seios duros, parecidos com pedras. Continuei girando o pepino dentro de sua bucetinha, e a penetra-lo um pouquinho mais. Ela gritou, fechou as pernas e começou a forçar sua buceta para tirar o pepino de dentro de si. Ela começou a chorar, ao mesmo tempo que revirava os olhos de tanto prazer, e sorria logo em seguida gemia de tesão e exaustão. Suas pernas estavam muito bem fechadas, trancando o cu e a bucetinha. Contraindo a buceta, não deixando eu penetrar mais o pepino, eu comecei a gira-lo. Comecei a rodar ele e ela gozou novamente. Sua buceta ja estava larga. Tirei o pepino com tudo, e voou sua ejaculação pela cama! Delirando, pernas tremendo, ela ja não aguentava mais nada. 

Montei me cima dela, botei meu pau em sua boca e o pepino em sua buceta. 
Ela começava a solução e a gritar. Meti de novo em sua boca, ela passava a lingua nele todo, não parava de me chupar. E eu penetrando o pepino sem parar um segundo em sua buceta. Suas pernas estavam descontroladas, tremeu de novo e outra ejaculação. 
Percebi seu corpo fraco, mole. Ela estava ficando fora de si. Comecei a ficar preocupado. Tirei a venda de seus olhos, tirei o pepino de sua buceta. Ela parecia desacordada, mas estava consciente. 
Minha cama estava toda molhada de goza e suor. Angela estava num sono profundo. Tirei suas algemas, e coloquei suas mãos próximas de seu seio. Fui para o banho. 

Quando sai do banho vi Angela sentava na cama, chorando. "Me desculpa Edgar, eu juro que chupei o Marquinhos uma vez só depois que começamos a namorar, eu juro".
Eu já não queria mais ouvir nada vindo dela, me sentei do lado e comecei a contar que, eu não desconfiava dela, e sinceramente eu havia acreditado que ela nunca havia chupado ninguem antes. Mas que, depois de ter sido persuadida pelo pedido de Marquinhos, eu já não confiava em mais nada. Namoro sem confiança não existe. 
Aquela havia sido a ultima foda do namoro, o ultimo encontro do namoro.

Ela subiu em cima de mim, toda gozada, toda suada. A peguei pela cintura e a coloquei do lado de novo: "Vai tomar um banho Angela.". Disse num tom serio, decidido a acabar com o namoro. Ela foi para o banheiro, tomou um banho. Saiu enrolada na toalha e com os olhos vermelhos de choro: "Essa foda foi espetacular Ed.". Disse enquanto se vestia. 

Olhei para a algema, para o pepino ali no chão e para a venda nos olhos. Realmente fora espetacular.
Depois de ter se vestido, ela foi saindo de casa, a acompanhei até o portão, e dei um beijo em sua testa de despedida. "É melhor a gente acabar com o namoro Angela, mas saiba que Te Amei. Não confio mais em ti, e não tem como a gente continuar". Ela ergueu a cabeça, olhou para mim e disse: "Tudo bem Edgar, vou te contar a verdade, eu fodia com você e saia para chupar a maior galera na rua de casa todos os dias. O seu pinto só era o primeiro do dia". Me deu as costas e saiu rebolando.
Aquelas palavras me magoaram profundamente, fechei o portão e fui limpar o suor e as gozas da minha cama. 

---
Eae pessoal, este foi o fim do meu namoro com Angela, pode se dizer que fui violento, ou um aproveitador e te-la usado como objeto sexual no nosso ultimo encontro, mas, eu digo, quando se é jovem e descobre que é corno, o seu único desejo é, ou se sentar e chorar, ou foder uma buceta até seu pau não levantar mais! Eu fiquei com a segunda opção. Embora ainda tenha uma magoa muito forte por ela. Espero que tenham gostado, deixem comentários. Obrigado.


2 comentários:

  1. Leocádia disse:
    Edgar...taquepariu...quisera eu esse castigo!
    muarharaharaha
    Na boa, véio: se você quisesse castigar mermo a adúltera era só meter no ânus sem vaselina, oras!!!
    Sou adulta e ñ mais me excito c/ filmes pornô, mas este relato me deixou meladita, pode apostar!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leocádia!
      Olha, sobre a sugestão de ter enfiado o pepino no anus da menina, sinceramente, na epoca isso me pareceu um absurdo tremendo. Nao nego que me passou pela cabeça, afinal, eu tinha uma revistinha pornografica naquela epoca em que um negão enrrabava uma novinha que me excitava pra inferno. Mas, enfiar o pepino na menina algemada e ainda por cima de olhos vedados, eu achei que poderia sujar para o meu lado (em todos os sentidos). Penetrar o pepino na bucetinha dela foi uma boa saida para o castigo, e no fim ela acabou adorando! Tenho certeza que ficou fudida e com a buceta ardendo por dias e dias.

      Obrigado, fico muito feliz em ter deixado tu meladita, esse foi meu objetivo, apesar de voce ter sido a unica a vir aqui comentar algo!!!

      Muitissimo obrigado pelo apoio e pelo comentario! ;*

      Excluir