Melhor Sex Shop virtual!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A trepada com a Sra. Cursino



Olá caros Leitores, para quem perdeu a primeira parte da historia com a adorável Sra. Cursino, segue o link aqui: Parte 1.
Caso já tenha lido, vai poder prosseguir e entender tudo que aconteceu comigo aos meus 14 anos de idade.
Bom aproveito.

Voltei para casa em êxtase furor, vergonha e sentimentos confusos. Havia recebido uma bela chupada da gostosa da vizinha. Não conseguia acreditar. Fui pro quarto, fiquei pelado e me vi nu, meu pau acabara de ser chupado. As melhores e mais agitadas musicas vinham a minha mente, mas eu estava cansado, acabei dormindo. Acordei na hora do jantar, fui pro banho e foi durante o banho que percebi o quanto era sortudo. Me vesti, desci para o jantar.
No outro dia na escola o assunto não foi outro. Contei para o meu melhor amigo da época, Caue, que também explodiu de alegria por mim.

Voltando para a casa, passei em frente a casa da Sra. Cursino, e lá estava ela, se despedindo de seu filho mais velho, que acabara de entrar no carro, deu duas buzinadinhas e saiu. Ela me viu chegando e me deu uma piscadinha. Eu queria dizer algo, mas não tive coragem. Ela percebeu que queria dizer, e antes de voltar para a casa dela disse: "Depois você pode me ajudar com a porta do guarda roupa? Já falei com a tua mãe".

Perfeito, o álibi perfeito para minha mãe nunca desconfiar de nada.

Fui para casa, almocei, e meu pau estava agitado, grande, duro, querendo ser chupado de novo pela Sra. Cursino, não aguentava nem pensar nas batatas fritas. Minha mãe na cozinha lavando louça, e eu pensando nos peitos da Sra. Cursino quando ela lavava louça com camisa branca e sem sutiã. Não aguentei, comi o mais rápido possível e disse para minha mãe que a 'vizinha doida' queria minha ajuda. Minha mãe riu. Naquela época eu costumava dizer que não gostava de alguém que gostava, dizendo que ela era doida, minha mãe nunca suspeitaria que eu estava de pau duro pensando nela. Coisa de criança.

Corri para a casa dela, ainda de uniforme da escola, e ela estava no portão, varrendo a entrada da casa: "Nossa, ja chegou?", e eu: "Sim, vim ajeitar a porta". Ela gargalhou.
Fomos para o quarto dela, a cortina fechada, iluminação do sol, cheiro de incenso. Ela se deitou na cama, e eu deitei junto com ela.
"O que você quer fazer hoje Edgar?"

Meu pau estava duro, só queria mais uma chupada, mas ousei um pouco mais, apontei para os peitos dela. Ela olhou para a direção do meu dedo e fez cara de safada, sorriu: "Você gosta dos meus peitos ne?". Se sentou na cama, tirou a camisa branca e me mostrou aqueles seios enormes. Bicos marrons, de uma mulher que já deu de mama para muitos filhos, e para muitos homens que já a fuderam, claro.

Ela pegou minha mão e colocou no meio de seus seios, eu com a outra (ousado) apalpei o bico do seio ela. Meu coração acelerado de novo, queria era morder aqueles peitos enormes, como nas revistas pornos que eu tinha em casa. Me aproximei dos seios dela, comecei beijando o esquerdo, ela delirou, segurou minha cabeça e deixou aproximado do seu seio. Continuei beijando o seio dela, passei a língua em movimentos circulares pelo bico do seio dela. Ela, ainda segurando minha mão no meio dos seios dela, começou a me guiar, abaixando a minha mão até a sua calça. Ela soltou minha cabeça, ficou em pé ao lado da cama e abaixou a calça que estava vestindo. Ficou só de calcinha.

Eu arregalei os olhos: "Esta acontecendo muito rápido", pensei.
Ela tirou a calcinha, e pela primeira vez vi uma buceta peluda.
As bucetinhas que eu tinha visto anteriormente eram apenas de Jessica aos 12 anos, e da minha prima Helena, aos 13.

De chupar buceta eu entendia, já havia chupado Helena algumas vezes. Ela voltou a se deitar do meu lado, e eu já fui encaminhando para abrir as pernas dela, aproximando minha cabeça entre os vãos de suas pernas. Ela se assustou, não contava que eu seria tão ousado assim. Segurou os seios e ficou de perna aberta, eu entre aquelas pernas deliciosas, fui direto de boca no meio daquela xoxota deflorada, como nas revistas pornográficas que já estava cansado de ver.

Mais tarde ela me ensinaria que o clitóris é o ponto X da questão, e que antes de chegar nele, o homem deve beijar as coxas e os lábios, mas naquele dia eu não sabia de nada. Fui pro sino dourado, continuei beijando aquela buceta, de cheiro forte, os mais extremistas diriam que ela estava cheirando a bacalhau. Eu não posso afirmar este cheiro. Afirmo apenas que era sim um cheiro forte de buceta, assim como um pau guardado por muito tempo fica com um cheiro forte. Nada demais.


Estava suada, fazendo os serviços diários de uma dona de casa. Continuei chupando aquele grelo delicioso, meu pau explodindo debaixo da cueca, eu queria enfia-lo, eu queria ser chupado novamente, minha ansiedade me fazia começar a ficar nervoso, a suar frio, e a chupa-la mais rápido. A minha ideia de satisfaze-la era fraca, não entendia muito bem de orgasmos femininos. Quando fui parar de beijar a sua buceta, ela segurou minha cabeça contra, segurou meu cabelo, parecendo que queria puxa-los, e começou a gemer: "Continua assim, continua assim Edgar". Os gemidos dela me fizeram delirar. Gozei na minha cueca. Continuava lambendo a sua buceta, o cheiro forte, e ela toda molhada, lambuzando a minha cara, quando tentava tirar o meu rosto da sua buceta ela me puxava mais, meu nariz já estava nos seus pêlos, minha boca toda lambuzada com seu gozo. Chupei a buceta, segurei os lábios vaginais com os meus lábios e comecei a sucção. E veio um jorro de goza na minha cara.

Ela riu, me soltou, gemeu. Olhei para ela, de pernas abertas, estava vermelha: "Edgar, onde aprendeu isso?". Não pude responder, não falaria que já havia chupado minha prima. Ela se ajoelhou na minha frente, agarrou a minha calça e começou a tirar, viu minha cueca melada, meu pau ainda duro. "Que ótimo que ainda ta duro, Edgar, faz um favor?".
Fiquei olhando atento para ela.

Ela se sentou na cama, ficou de pernas abertas, abriu bem a sua buceta larga e cheia de pêlos, agora todos molhados, e me disse: "Enfia aqui no meio ó", e apontou para mim a entrada de sua buceta.


Me aproximei da velha, ela segurou o meu pau com os dedos e foi indicando o caminho. Entrando lentamente dentro da xota deliciosa da sra. Cursino. Era quente, assim como enfiei a cabeça do meu pau dentro da bucetinha de Jessica. Aos meus 12 anos, eu gozei assim que penetrei Jessica, mas agora, ali, em cima de Sra. Cursino, eu não gozei. Ela segurou o meu quadril e me aproximou. Me guiando a primeira metida. Eu tirei meu pau, as pontadas de um gozo precoce surgiram, mas ela me puxou de novo contra seu corpo. A segunda metida já sentia o gozo vindo para a cabeça do meu pau. Me afastei e ela me puxou mais uma vez, o meu gozo esporrou dentro de sua buceta larga, e já fora escorrendo pelas beiradas dos seus lábios vaginais.

Ela riu: "Ah, que delicia, já gozou querido". Meu pau continuou duro, e eu continuei com as bombadas. Ela se surpreendeu: "Isso, delicia, continua metendo em mim vai". E eu consegui mais algumas metidas, antes que meu pau começasse a amolecer e a dobrar quando eu tentava dar mais metidas.

Meu pau não pareceu causar tanto prazer nela, quanto minhas chupadas, mas ela se deitou, pediu para eu me deitar ao lado. Me socou um beijo de língua e me explicou que aquilo era um beijo francês. E completou: "Olha, se continuarmos assim, da até pra você vir morar aqui comigo heim".


Essa relação entre eu e a Sra. Cursino não durou muito, infelizmente minha mãe começou a suspeitar quando eu comecei a sumir todas as tardes para a casa da fogosa, mas que aproveitamos muito, com certeza. Com ela aprendi o que era uma xoxota de verdade, aprendi sobre orgasmos femininos e ela me ensinou a como fazer durar a minha ereção. além de professora de Português, a Sra. Cursino fora uma ótima professora sexual para mim.


E então, gostaram? Se sim, deixem um comentário, se não, deixem tambem, afinal, posso aprender com os meus erros e arrumar para os proximos textos! Por hoje é só caros leitores.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. oooh meu caro, que bom que gostou.
      Volte sempre parceiro!

      Abraços.

      Excluir
  2. Queria muito poder narrar essa série, só é foda pelas circunstâncias etárias mesmo..srs Mas que história, hem!!!!!

    Bjão quente e molhado

    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aah, liga nao Carol, tem outras vindo aqui no blog que sao otimas, espero que goste! ;D

      Brigadao, beijaaaços quentes! ;*

      Excluir
  3. Grande Edgar!

    CONCORDO com a Carol que a faixa etária é O COMPLICADO... Que bom que o assunto se encerrou rsrs... APESAR da hipocrisia sócio-psicológica conversada na 1ª parte, é algo tão COMPLICADO que não seremos nós há dizer o que está certo ou errado nostro amigo, um assunto que não vale a pena encontrar o meio termo e sim estar contra e ponto, ATÉ MESMO PELA POLÍTICA IMPERIALISTA DO GOOGLE E POR TODO TIPO DE PESSOAS ACESSAREM SEU BLOG, nem todos entenderiam, claro que não buscamos aprovação mas, perder nossos blogs como alguns já perderam por serem mal interpretados, É MAIS UMA DAS FALTAS DE RESPEITOS QUE ACONTECEM NESTE MUNDÃO....

    Eeeeeita que a Sra. Cursino fez história eim hehehe... Sabe o que eu me perguntei kkkk? Como estará Sra. Cursino HOJE?

    Meu amigo, por gostarmos de ti, apesar do pouco tempo que o conhecemos, um presente, se não gostar, fica a intenção de uma amizade verdadeira:

    http://loirinhaksada.blogspot.com.br/2012/11/um-verdadeiro-menage-feminino-de.html?m=1

    E PARA DE FALAR DESSA FAIXA ETÁRIA CARA KKKK.... NO PRÓXIMO NEM COMENTO EIM rsrs...

    Abração manso nosso amigo...
    ÓTIMA QUARTA...
    Inté....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. USHAUASHUASHSAUAS, eeeita Mansinho, pode deixar! Na verdade, os contos que tenho com meninas de menor sao os contos de quando EU tambem era de menor, como as HISTORIAS DE COLEGIAL que ja contei aqui no blog, quando tinha uma namorada chamada Angela, e alguns outros que ainda vou contar. Que nao se caracteriza como pedofilia ne.. Mas enfim, que bom que anda visitando e lendo meus contos, sabe que me sinto muito bem saber que estou conseguindo atiçar a imaginação de varias pessoas com minhas historias!

      E, meu amigo, voltei para ver a Sra Cursino, ela continua dando aula na mesma escola daquela epoca, na verdade, ja era pra estar aposentada, mas disse que nao aguenta ficar fora da escola. Acredita que ela esta inteiraça? Algumas rigas, mas, coisa de mulher mesmo. Quando conversei com ela, a uns dois anos atras, ela disse que estava querendo fugir da menopausa e que estava praticando seus truques sexuais com outros garotos bem jovens tambem!!!
      Fiquei feliz por ela manter uma relação sexual tao viva quanto a de um jovem!!!
      Essa Sra Cursino é uma delicia, até depois de tantos anos!

      Abraço meu amigo!

      Excluir
  4. Oi outra vez querido!

    Você literalmente era ( e ainda é claro rsrs) fogo quando novinho, hein? Aprontou com as menininhas, ainda bem que explicou que você tbm era menor de idade rsrs, e foi para os finalmentes com a Sra Cursino :D

    Miauadorei!

    Miaubeijocas com carinho =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. USAHSAUHSAUASHU sim sim, tanto contos com a Angela, com a Jessica, e com a minha Prima Helan, elas eram de menor, mas eu tambem, foi tudo aos 12, 13 e 16 anos de idade. O conto com a Sra Cursino foi aos 14 anos, mas ela era bem mais velha, bom espero nao ter ofendido ninguem com as postagens sobre a fogosa de 40 anos.

      Em breve vou contar mais sobre minhas aventuras com a Angela, e sobre uma outra namoradinha que tive na epoca do Colegial tambem!!!

      Beijaaaços linda! ;*

      Excluir