Melhor Sex Shop virtual!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Amor no Colegial (Angela, parte 3)


Olá pessoal, hoje vou terminar aquele conto que estava contando sobre a Angela, e a nossa tarde de muito Amor, e sobre quando começamos a namorar!

Pequenina Angela
Aquela tarde, eu ficaria sozinho em casa ate certa das 22 horas, e entao, convidei a deliciosa Angela pra ficar comigo. Ela confessou que nunca havia chupado ninguem atras da escola, e o que acontecia no colegio era que todos a zoavam por ela ser curiosa, em todos os sentidos. A historia estava muito mal contada, mas eu nao queria nem saber, ela estava chupando as minhas bolas no sofá de casa.

Não aguentei, nao conseguia aguentar, disse pra ela ficar pelada, e que eu tinha que penetra-la ali mesmo, no sofá. Ela tirou toda a roupa, o sutia e a calcinha eu nem notei ela tirando, ja estava se sentando no meu colo, segurando a cabecinha do meu pau e endireitando nos labios vaginais dela. Ela se sentou gostoso no meu pau, foi entrando pouco a pouco. Ela colocou o rosto ao lado do meu, e ficava sussurando poucas palavras, sedutoras, que fazia o meu pau pulsar: "Vai, isso, isso... Assim".

Já era o suficiente pra mim saber que ela queria mais. Segurei a sua bunda com tudo que pude, enchi a mao pra segurar tudo, e abrir bem aquela bundinha que ela tinha, e comecei a mandar ver, pra cima e pra baixo, quando eu cansava, era ela que continuava o ritmo, freneticamente, sussurrando que queria mais no meu ouvido.





Eu estava para gozar pela terceira vez, mas, notei que ela nao ficaria satisfeita, ainda nao tinha dito os tremiligues na perna, que dava sempre antes de dizer que estava tudo dormente. Entao, a deitei no sofá, a coloquei de costas pra mim e comecei a meter, continuava metendo naquela bucetinha apertada de Angela sem pensar em mais nada, eu nao queria gozar, eu fiquei segurando com o maximo que pude, chegou uma hora que nao consegui mais fazer nada, tive que gozar, e como sempre, eu deixava uma camisinha ao lado de onde estavamos, mas eu nunca me lembrava de usa-la!

Mesmo com todo aquele papo de lembrar de usar a camisinha, ou de andar com a camisinha no bolso, a camisinha do nosso lado, eu sempre começava a penetração sem colocar a porra da camisinha.

Continuei metendo nela e gozando, nao conseguia parar, ela sentiu o gozo na xoxotinha, e começou a gemer alto, dizia que era isso que ela queria sentir, era assim que ela queria que fosse, empinou a bundinha e, quando parei de bombar batendo meu saco na xota dela, foi ela que começou a rebolar no meu pau, engolindo ele todo.

Finalmente, tremeu as pernas, sabia que ali era o orgasmo dela, e ela se inclinou pra frente, tirando o meu pau todo melado da xotinha dela. Ela olhou pra mim, sorrindo como nunca. Ao me perguntar como eu havia deixado ao xotinha dela ainda mais quente, eu expliquei que tinha gozado dentro dela.

Pronto, este foi o fim daquela tarde agradavel, no qual estavamos repletos de sentimentalismo, sexo oral, e bombadas na xota dela. Ela se levantou desesperada e tivemos que correr pra um posto de saude, pra ter uma aula chata sobre Anti concepcional, pilulas do dia seguitne e sobre a porra da Camisinha.

Apesar de termos passado um pequeno desespero nos 7 primeiros dias, tendo pesadelos sobre gravides e tudo mais, tudo voltou ao normal, inclusive, de forma diferente, ja que agora eramos namorados.

4 comentários:

  1. Edgar querido!
    Cheguei e comecei a ler o teu conto e tive que voltar...
    Ler do começo e adorei como escreve.
    Excitante, guloso e delicioso.
    Beijos gulosos em você.

    Obs: Adorei te visitar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou daqui, adoro o teu espaço tambem! Leia todos os contos da Angela se puder, é uma saga da minha ex namorada do colegial.

      Beijaaço! ;*

      Excluir
  2. mto lgl q boa essa angela teve sorte nesse tue colegial meus parabens

    ResponderExcluir